Navegando Posts marcados como Campeonato Paulista

Santos 2 x 0 Inter de Limeira

Data: 30/01/2020, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.419 pagantes
Renda: R$ 193.305,00
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araujo
Auxiliares: Leandro Matos Feitosa e Risser Jarussi Corrêa.
Cartões amarelos: Matheus Neris e Geovane (I).
Gols: Raniel (22-1) e Raniel (42-1).

SANTOS
Everson; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres e Felipe Jonatan (Carlos Sánchez); Jobson, Diego Pituca e Evandro (Alison); Tailson (Renyer), Raniel e Uribe.
Técnico: Jesualdo Ferreira

INTER DE LIMEIRA
Rafel Pin; Roger Bernardo, João Victor, Oliveira e Jonathan (Lucas Balardin); Marquinhos, Matheus Neris (Murilo Rangel) e Geovane; Lucas Braga, Thomaz e Airton (Tcharlles).
Técnico: Elano Blumer



Raniel brilha e Santos bate Inter de Limeira pelo Paulistão

O Santos venceu e convenceu. Após duas partidas sem apresentar um padrão claro de jogo, o Peixe recebeu a Inter de Limeira e engatou o segundo triunfo consecutivo no Campeonato Paulista.

E foi a estrela de Raniel que brilhou nesta quinta-feira, na Vila Belmiro. Quando o Alvinegro enfrentava dificuldades para furar o bloqueio adversário, o atacante fez um golaço de fora da área. Antes do segundo tempo, foi ele quem apareceu dentro da grande área e sacramentou o 2 a 0.

Com o resultado, o Santos dorme na liderança do Grupo A. A equipe comandada por Jesualdo Ferreira abriu quatro pontos de vantagem sobre a Ponte Preta. A Inter de Limeira, por sua vez, conheceu sua segunda derrota e segue na segunda colocação.

O jogo

Diferente das últimas atuações, o Santos começou com uma proposta mais ofensiva, trocando muitos passes no campo de ataque. Enquanto isso, a Inter de Limeira esperava e apostava nos contra-ataques pelo lado esquerdo.

Por conta das duas linhas defensivas muito compactas da equipe visitante, o Peixe tentava chegar ao gol pelas laterais. E o jovem Tailson teve a chance de inaugurar o marcador logo aos seis minutos, após bom cruzamento de Felipe Jonatan.

Apesar da pose dos números animadores de posse de bola, o Santos abusava das bolas levantadas na área e, por conta disso, não conseguia perturbar a meta de Rafael Pin. Na primeira tentativa de invadir a grande área, com 16 no relógio, Felipe Jonatan tentou servir Tailson, que foi antecipado pelo zagueiro.

A partir de então, a pressão santista se instalou e a recompensa veio pouco antes da metade do primeiro tempo. Em um lance de rara felicidade, Raniel encheu o pé de fora da área e acertou a coruja que dormia no gol da Vila Belmiro.

O Leão tentou adiantar suas linhas para surpreender o Alvinegro Praiano. No entanto, a desorganização do time no ataque fez com que os mandantes tivessem ainda mais facilidade para colocar seus atacantes na frente do gol.

Foi dos pés de Evandro, um dos jogadores mais ativos durante toda a partida, que Uribe recebeu cara a cara com o goleiro. O atacante dominou muito mal a bola desperdiçou. Em seguida, faltando um minuto para o apito final, Raniel aproveitou a falha da zaga no escanteio e só empurrou para o fundo das redes.

Na volta do vestiário, Evandro novamente demonstrou muita classe em passe para Uribe. Dessa vez, o centroavante se atrapalhou com a bola. Mais tranquilo no jogo, o Santos ainda controlava a posse de bola, mas abdicou um pouco da pressão e a Inter de Limeira teve mais oportunidades.

Com pouco mais de 10 minutos da segunda etapa, foi a vez de Everson se preocupar com a tentativa de Thomaz. O bom chute do jogador da Inter chegou a desviar no zagueiro do Santos antes de tocar na trave. O arqueiro ainda foi fundamental para evitar o que seria um golaço de Geovane.

Buscando recuperar intensidade, Jesualdo Ferreira promoveu a entrada de Carlos Sánchez e Renyer, de 16 anos. As alterações até surtiram efeito e o Peixe quase ampliou. Contudo, o destaque vai para a joia santista de apenas 16 anos. O atleta superou as marcas de Robinho, Neymar, Gabriel e Rodrygo e se tornou jogador mais novo a estrear pelo profissional.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo vê elenco do Santos mais alinhado com seu estilo de jogo

Na noite desta quinta-feira, o Santos não só derrotou a Inter de Limeira, mas demonstrou mais entrosamento e coerência na proposta de jogo. Após a partida, Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva e elogiou a postura dos seus atletas. Segundo o treinador, suas ideias estão sendo melhores assimiladas.

“Acho que tudo correu bem. Fiz algumas mudanças e o ataque mudou todo. O que acontece é que a equipe começa a entender o estilo de jogo. Estou com mais tempo de trabalho, e eles estão conseguindo pegar o objetivo”, destacou.

O comandante acredita que o tempo será fundamental para o elenco assumir sua melhor forma.

“Só acredito no trabalho, no que é feito nos treinamentos e no que a equipe pode fazer também. Isso ajuda muito a suportar o cansaço. Um dia eles vão ver melhor onde queremos chegar. Têm faltado muitos jogadores. Às vezes teremos muitos treinos e poucos jogos. Teremos ausências por lesões e expulsões”, comentou, acrescentando algumas críticas ao time.

“O grande trabalho que vamos fazer não é defensivo, mas o de recuperação rápida da bola. Algumas equipes tem dificuldade a reagir nesse momento do jogo. E isso é muito importante. A equipe é capaz de fazer metade do que é importante, a outra metade ainda virá no futuro”, finalizou.

Líder do Grupo A, o Santos agora se prepara para seu primeiro clássico do ano, neste sábado, às 11 horas (de Brasília), contra o Corinthians, na Arena em Itaquera.

Jesualdo avalia atuações de Raniel e Uribe na vitória do Santos

Depois de duas atuações apagadas, brilhou a estrela de Raniel na noite desta quinta-feira. Autor dos dois gols que sacramentaram a vitória do Santos diante da Inter de Limeira, pela terceira rodada do Campeonato Paulista, o atacante foi elogiado pelo técnico Jesualdo Ferreira, que também teceu algumas críticas ao seu estilo de jogo.

“Consigo ver que ainda falta muita coisa para ajudar na qualidade e talento que tem. Falta ajustar posicionamento, por exemplo. No entanto, para ele melhorar isso tudo vai levar tempo. Para aprender é preciso falhar. Ele tem grande poder físico e perfil de atacante. Agora, precisamos preencher esse perfil. Além disso, é preciso ter boa mentalidade, claro”, comentou.

O treinador também analisou a situação de Uribe. Pouco aproveitado por Jorge Sampaoli, o centroavante voltou a ser titular no Santos, mas acabou desperdiçando duas chances claras de gol.

“O Uribe não joga faz tempo, está sem confiança. Eu gosto muito de jogadores de colombianos. Ele é um atacante que se empenha bastante no jogo e tem muita noção de posicionamento. Com tempo, confiança e trabalho ele pode nos ajudar bastante”, destacou.

Jesualdo vê potencial em Jobson: “Nem ele percebe”

Pouco aproveitado por Jorge Sampaoli, Jobson fez sua estreia na vitória do Santos diante da Inter de Limeira. Além da calma com a posse de bola, o volante mostrou qualidade no passe e foi fundamental no meio-campo do Peixe.

Em entrevista coletiva concedida após a partida, o técnico Jesualdo Ferreira fez um comentário curioso para elogiar a postura do jogador de 24 anos.

“Jobson é, para mim, alguém que tem uma capacidade que nem ele percebe. O problema dele e de muitos outros é que ainda não conseguiu equilibrar-se mentalmente. Ele tem boa estrutura, é físico e tem muita técnica. Joga muito fácil no meio-campo. O que ainda é preciso trabalhar são as decisões rápidas na construção de jogadas e concentração na defesa. Claro que vai depender muito dele, mas ele tem minha confiança de que vai estar fazendo tudo isso em um futuro próximo”, destacou.

Em 2019, sob o comando de Sampaoli, Jobson foi escalado em 15 oportunidades. Em números gerais, foram quatro atuações no Campeonato Brasileiro e 11 no Campeonato Paulista, torneio em que o volante marcou seus únicos dois gols da temporada.

Jesualdo faz análise da estreia de Renyer pelo Santos: “Tem muito talento”

A primeira vitória de Jesualdo Ferreira na Vila Belmiro teve uma participação especial. Renyer, atacante de apenas 16 anos e seis meses, fez sua estreia pelo profissional do Santos e superou as marcas de Robinho, Neymar, Gabigol e Rodrygo. Em entrevista coletiva concedida após a partida, o treinador exaltou a joia das categorias de base do Peixe.

“Tudo o que ele tentou no hoje no jogo é do perfil de um menino da idade dele. Ele tem muito talento e parece ter uma boa estrutura física. É um jogador que tem muita noção do que é jogar no ataque. Além disso, reparei que ele teve o cuidado de participar dos momentos defensivos também, isso é interessante. Acredito que ele vai poder nos ajudar muito”, comentou.

Questionado a respeito da opção por Renyer, Jesualdo deixou claro que pretende utilizar talentos da base com frequência.

“Essa é a política do clube. Por conta disso, vou promover jovens e fazê-los estrear sempre que puder. Eu tenho sempre que optar pelo melhor”, explicou.

Renyer comenta marca histórica no Santos e projeta Clássico Alvinegro

Com a vitória praticamente garantida diante da Inter de Limeira, Jesualdo Ferreira promoveu uma entrada histórica no gramado da Vila Belmiro. O jovem Renyer, de apenas 16 anos, se tornou o jogador mais novo a estrear pelo profissional do Santos. Vestindo a camiseta 43, mesma utilizada por Rodrygo, o atacante superou as marcas de Robinho, Neymar, Gabigol e do próprio atleta do Real Madrid.

Após o apito final, a joia santista falou a respeito da sensação de fazer seu primeiro jogo com o manto alvinegro.

“É uma sensação muito boa. Estou muito feliz pela estreia. O professor Jesualdo está confiando em mim, pois estou mostrando meu trabalho. Quero treinar forte para chegar nos jogos e atuar bem. O meu intuito é ajudar o Santos em todas as partidas”, comentou.

Líder do Grupo A, o Santos agora se prepara para enfrentar o Corinthians. O duelo está previsto para este sábado, às 11 horas (de Brasília), na Arena em Itaquera. Questionado a respeito das expectativas para o Clássico Alvinegro, Renyer reconheceu a concorrência, mas não escondeu seu desejo de estar em campo.

“É muito grande, claro. Tenho que trabalhar forte para isso acontecer. O Soteldo está voltando e também temos o Raniel, que fez dois gols hoje. O elenco do Santos é muito qualificado e, por conta disso, tenho que treinar forte para ganhar mais oportunidades”, finalizou.


Guarani 1 x 2 Santos

Data: 27/01/2020, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, SP.
Público: 9.130 pagantes
Renda: R$ 174.973,00
Árbitro: Vinicius Furlan
Auxiliares: Fabrini Bevilaqua Costa e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Romércio (G); Pará e Luiz Felipe (S).
Cartão vermelho: Lucas Abreu (G).
Gols: Arthur Gomes (21-1); Rafael Costa (22-2) e Pablo (47-2, contra).

GUARANI
Jefferson Paulino; Pablo, Bruno Silva, Romércio e Bidu; Deivid, Lucas Abreu, Lucas Crispim (Marcelo) e Giovanny (Bruno Sávio); Júnior Todinho e Rafael Costa (Matheusinho).
Treinador: Thiago Carpini

SANTOS
Everson; Pará, Luan Peres, Luiz Felipe e Felipe Jonatan; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca (Uribe); Arthur Gomes (Jean Mota), Raniel (Tailson) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos sofre, mas bate o Guarani com gol contra nos acréscimos

No sufoco, o Santos conquistou sua primeira vitória no Campeonato Paulista. Na noite desta segunda-feira, o Peixe visitou o Guarani no Estádio Brinco de Ouro da Princesa. Mesmo com um jogador a mais durante toda a segunda etapa, a equipe de Jesualdo Ferreira sofreu para vencer por 2 a 1. Depois que Arthur Gomes inaugurou o marcador, Rafael Costa deixou o dele. Nos acréscimos, Pablo chutou contra o próprio patrimônio.

Esse é a primeira vitória do Alvinegro Praiano no Paulistão. Com isso, o time assumiu a liderança do Grupo A. Do outro lado, o Bugre conheceu sua primeira derrota e segue na segunda colocação.

O jogo

Assim como na estreia diante do Bragantino, o Santos começou a partida com pouca intensidade. Apesar da superioridade em posse de bola, os comandados por Jesualdo Ferreira pecavam na criação das jogadas.

Enquanto isso, o Bugre estudava o adversário. Com um meio-campo extremamente lento, os donos da casa insistiam pelos lados do campo, mas sem sucesso.

Depois de 20 minutos nessa tônica, o Peixe se organizou e passou a tomar conta do jogo. Eduardo Sasha fez boa jogada individual e serviu Felipe Jonatan. O lateral-esquerdo, que foi muito acionado e correspondeu às expectativas, cruzou na medida para Arthur Gomes subir no terceiro andar e colocar a bola no fundo das redes.

Sempre explorando o espaço deixado pelos avançados laterais do Guarani, o Alvinegro Praiano trabalhava com mais precisão e velocidade. E Diego Pituca desperdiçou uma grande chance. O volante aproveitou a visão de jogo de Eduardo Sasha, porém, o chute subiu muito.

Em nova do participação do incansável Felipe Jonatan, o Santos quase ampliou antes do segundo tempo. De primeira, o defensor mostrou recurso, finalizou de três dedos, e tirou tinta da trave.

Na volta do vestiário, o Guarani, que já não fazia uma boa apresentação, teve um jogador expulso. Sem qualquer escrúpulo, Lucas Abreu entrou com a sola da chuteira no tornozelo de Luiz Felipe.

A baixa foi registrada logo no primeiro minuto, mas, curiosamente, o Guarani começou a criar as melhores oportunidades. Com Giovanny e Bidu, o Bugre exigiu boas defesas de Everson. Até que a rede balançou aos 19 minutos. Bem posicionado na segunda trave, Rafael Costa explorou o cruzamento e deixou tudo igual.

O Santos esboçou uma reação, contudo, voltou a esbarrar na falta de criatividade e erros de passe. A melhor chance surgiu dos pés de Raniel, que obrigou Jefferson Paulino se esticar todo para salvar o Guarani.

No apagar das luzes, aos 47 minutos, o Santos desempatou. Jean Mota cobrou falta com muita maestria e acertou no travessão. De maneira catastrófica, o Pablo tentou afastar e acabou chutando contra a própria meta.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo diz não se irritar com comparação a Sampaoli, mas pede “respeito”

A atuação não convenceu, mas Jesualdo Ferreira venceu sua primeira partida à frente do Santos. Em entrevista coletiva concedida no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, na noite desta segunda-feira, o português evitou a comparação com o ex-comandante do Peixe, Jorge Sampaoli.

“Isso não me irrita. Só é preciso respeitar todos os treinadores, porque ninguém é igual. Muitos treinadores que são campeões não têm os mesmos métodos”, comentou.

Questionado a respeito da falta de intensidade no seu estilo de jogo, Jesualdo, assim como aconteceu após o jogo contra o Bragantino, pediu calma e destacou o curto período de tempo que teve para trabalhar com o elenco.

“Eu tenho dois jogos. Não sei o que vai acontecer. Meu time não vai ser igual, os jogadores não são os mesmos. Eu vou preparar a minha equipe. A equipe vai jogar no nível de alguns jogos do ano passado, mas em outras terá mais dificuldades, como todas as equipes. Como você quer jogar com intensidade em dois jogos? Só se joga de maneira intensa quando tem capacidade para jogar com intensidade. Você não me conhece há um ano, só há quinze dias”, finalizou.

Jean Mota pede calma com Jesualdo no Santos: “Está tentando se adaptar”

O Santos venceu a sua primeira partida sob o comando de Jesualdo Ferreira. Após uma estreia ruim diante do Red Bull Bragantino, o Peixe visitou o Guarani e, apesar do triunfo, não convenceu. Envolvido na origem do lance que deu números finais ao jogo, Jean Mota pediu calma com o treinador português durante o período de adaptação.

“A proposta de jogo dele é diferente. Ele está tentando se adaptar ao futebol brasileiro o mais rápido possível. E nós, do outro lado, estamos trabalhando para encaixar com a estratégia dele. Tenho certeza que isso vem com o decorrer dos jogos”, comentou.

O lance do gol foi, no mínimo, curioso. Sem ângulo, o meio-campista cobrou a falta direto e a bola explodiu no travessão. De maneira catastrófica, o atacante Pablo tentou afastar, mas acabou chutando contra o próprio patrimônio.

“A bola bateu na trave e depois bateu no chão. Ele tentou tirar, mas acabou mandando para o fundo do gol. Nosso time está de parabéns. Cometemos um erro e acabamos tomando gol com mais um jogador a mais em campo. No entanto, o importante é a vitória. Precisamos continuar com o mesmo foco para o restante da competição”, finalizou.


Santos 0 x 0 Red Bull Bragantino

Data: 23/01/2020, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.412 pagantes
Renda: R$ 511.705,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Risser Jarussi Corrêa e Evandro de Melo Lima.
Cartões amarelos: Carlos Sánchez (S); Ligger, Edimar, Barreto e Artur (B).

SANTOS
Everson; Felipe Jonatan, Luan Peres, Luiz Felipe e Pará; Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca; Marinho (Derlis González), Kaio Jorge (Raniel) e Eduardo Sasha (Arthur Gomes).
Técnico: Jesualdo Ferreira

RED BULL BRAGANTINO
Júlio César; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Edimar; Barreto (Vitinho), Bruno Tubarão (Thonny Anderson), Uillian Correa e Claudinho (Morato); Artur e Ytalo.
Técnico Vinicius Munhoz



Santos joga mal e só empata com o Red Bull Bragantino na estreia do Paulistão

O Santos não estreou bem no Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Alvinegro Praiano recebeu o Red Bull Bragantino na Vila Belmiro. Após um primeiro tempo com poucas chances para os dois lados, o Braga foi melhor na segunda etapa, mas o Peixe conseguiu segurar o 0 a 0.

Como o Guarani venceu na estreia e a Ferroviária empatou, o Massa Bruta está na terceira colocação do Grupo D. O Peixe, por sua vez, foi a única equipe que somou pontos no Grupo A.

O jogo

O Red Bull Bragantino começou o jogo com muita intensidade, atacando principalmente pela direita, com Artur. Do outro lado, as duas linhas de quatro do Santos mostraram muita solidez defensiva. Quando tinha a bola, a equipe de Jesualdo Ferreira tentava, mas não conseguia furar ao bloqueio do Massa Bruta.

Aos poucos, o Braga começou a esperar o Santos, que valorizava mais a posse de bola, porém, pecava muito na criação. A válvula de escape era Marinho, atleta responsável pela maioria das jogadas de perigo do Peixe. Apesar do apoio de Carlos Sánchez, o atacante não teve muito sucesso pelo lado direito.

Depois de 25 minutos sem qualquer chute na direção do gol, o Bragantino saiu em um rápido contra-ataque e a bola chegou em Claudinho. O meio-campista encheu o pé da entrada da área e obrigou uma bela defesa do goleiro Everson.

A resposta do Santos veio faltando sete minutos para o fim do primeiro tempo, com Sánchez. De três dedos, o uruguaio tentou vencer o Júlio César, que só olhou a finalização passar perto do gol.

Na volta do vestiário, Jesualdo promoveu a entrada de Raniel no lugar de Kaio Jorge, pouco acionado no jogo. Enquanto o Peixe se preocupava em arrumar o sistema ofensivo, o Red Bull Bragantino continuou com a mesma intensidade e criou a primeira oportunidade.

Em uma das suas primeiras participações, Ytalo recebeu dentro da área, girou para cima do zagueiro e chutou firme, mas só bateu na rede pelo lado de fora. Após a chance de Pará, que completou 200 jogos com a camiseta do Santos, exigir boa defesa de Júlio César, o camiseta 9 desperdiçou uma chance cara a cara com Everson.

Aos 24 minutos, Ytalo, sempre ele, quase inaugurou o marcador. Thonny Anderson, substituto de Bruno Tubarão, encontrou o companheiro livre de marcação. O atacante invadiu a grande área e, de cavadinha, mandou a bola no travessão.

Nos momentos finais da partida, o Santos foi ao ataque. No entanto, a boa defesa do Bragantino garantiu o placar zerado no confronto.

Bastidores – Santos TV:

Jesualdo explica estratégia e analisa postura do Santos na estreia

Após 12 dias de preparação, o Santos sofreu para empatar com Red Bull Bragantino, em partida válida pelo Campeonato Paulista. Depois da estreia no comando do Peixe, Jesualdo Ferreira concedeu entrevista coletiva na Vila Belmiro e passou suas primeiras impressões sobre o elenco.

“Vocês conhecem os jogadores melhores que eu. Jogamos em casa, primeiro jogo. Eles ainda têm muitas coisas na cabeça. No entanto, em grande parte do jogo, eles foram capazes de jogar da forma que eu quero. O intuito é dar pouco espaço para o adversário, ser rápido na troca de passes e explorar a velocidade dos atacantes. A segunda fase do jogo, que é chegar ao gol adversário, manter a bola, em alguns momentos fizemos”, analisou.

O treinador português também explicou a opção por escalar Alison, capitão do time na noite desta quarta-feira, como primeiro volante. Sob a visão dele, o camiseta 5 tem mais vigor físico em comparação com Diego Pituca, jogador com características mais ofensivas.

“Eu gosto mais do Alison nessa posição do que o Pituca. O Pituca tem uma capacidade importante que é de entrar em zonas ofensivas. Isso é mais importante. O Alison tem mais poder físico, capacidade de poder, quando a equipe abaixa, fazer um tampão. Não se esqueça que do lado direito tem o Carlos”, completou.

Por fim, Jesualdo destacou mais um defeito do Santos contra o Bragantino.

“Ainda falta intensidade para jogar no ritmo que eu quero”, finalizou.

Jesualdo Ferreira destaca defesa e elege o maior defeito do Santos

Apesar do Red Bull Bragantino ter criado as melhores oportunidades na partida desta quarta-feira, pelo Campeonato Paulista, Jesualdo Ferreira vê pontos positivos na estreia, uma vez que o Santos teve pouco tempo de preparação. No entanto, o técnico também destacou o principal defeito do Peixe, em entrevista concedida após o duelo.

“Depois de doze dias, estava pronto, não tinha outra alternativa, tinha que jogar. A equipe foi capaz, durante algum tempo, de deixar o adversário com pouco espaço. Não foi fácil para o Red Bull ganhar espaços para atacar. Mas não conseguimos fazer aquilo que acho importante, que é ter clareza no momento de decidir. A equipe jogou muito depressa. Acho que esse foi nosso problema maior. Agora temos que trabalhar”, analisou.

O comandante ainda destacou a presença do público na Vila Belmiro. Segundo o português, a torcida pode ser o trunfo do Santos em 2020.

“Quando torcedores vieram? 12 mil? Fantástico. Vou agradecer aos torcedores do Santos por terem comparecidos por essa capacidade de apoiar durante os 90 minutos. Se conseguirmos ter sempre uma presença dessa, dentro dos 12 ou 15 mil, vamos ter um ambiente muito bom ao nosso favor. Emocionou um pouco, me tocou, por isso o agradecimento”, completou.

Jesualdo elogia base do Santos e pede calma: “Ver como encaram o jogo”

Logo na sua partida de estreia pelo Campeonato Paulista, o Santos contou com a ausência de Yeferson Soteldo, que foi convocado pela seleção da Venezuela para a disputa do Pré-Olímpico. No lugar de uma das principais peças da temporada passada, Jesualdo Ferreira promoveu a escalação de Kaio Jorge. Já na segunda etapa, o comandante colocou outra joia da casa em campo, Arthur Gomes.

Em entrevista coletiva concedida após o duelo na Vila Belmiro, o técnico português elogiou a base do Peixe e pediu calma com os jovens.

“O elenco do Santos tem muitos jovens. É uma riqueza do clube. No entanto, como são jovens, nem sempre as coisas acontecem como o esperado. Nós, como vocês viram em termos defensivos, conseguimos resolver os problemas em alguns momentos. Mas eles puderam marcar em duas oportunidades. O mais importante era ver como encaram o jogo”, comentou.

Questionado sobre o motivo pelo qual Kaio Jorge foi substituído, Jesualdo revelou que o atacante sentiu um desconforto no tornozelo esquerdo. Sem o jogador da Seleção Brasileira Sub-20 em campo, o treinador explicou como armou o time.

“O Kaio Jorge jogou mais pelo corredor. O Marinho ficou mais aberto. São dois jogadores que tem essa característica. O Kaio teve uma entorse no pé e acabou saindo por isso. A tentativa de colocar um central não funcionou. Por conta disso, voltamos ao 4-3-3, que garantiu mais consistência”, finalizou.

Após empate, Alison fala sobre ritmo de jogo do Santos e exalta Bragantino

O Santos teve uma atuação abaixo das expectativas na estreia do Campeonato Paulista. Na noite desta quinta-feira, o Peixe recebeu o Red Bull Bragantino e viu o adversário criar as melhores chances de gol na Vila Belmiro. Após o duelo, o volante Alison, capitão do Alvinegro Praiano, falou sobre o ritmo do elenco.

“Claro que ainda nos falta um pouco de ritmo. Na minha visão, isso é natural. Vamos adquirindo ao longo do campeonato. Temos que continuar trabalhando forte para chegar no nosso auge o mais rápido possível”, destacou.

O camiseta 5 ainda elogiou o adversário e, apesar do Santos ter chutado apenas duas vezes na direção da meta do Bragantino, viu uma melhora na segunda etapa.

“Queríamos a vitória, pois sabíamos o quanto isso seria importante. Tentamos, lutamos e até melhoramos no segundo tempo. Infelizmente, não conseguimos o resultado positivo. Acho que o Red Bull Bragantino também teve méritos”, completou.

Santos confirma lesão no tornozelo esquerdo de dois atletas

Um dos jogadores mais acionados do Santos no empate diante do Red Bull Bragantino, pela estreia do Campeonato Paulista, Marinho sentiu um desconforto e foi substituído ainda no segundo tempo. Momentos depois do apito final, o clube confirmou que o atacante sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo. Kaio Jorge, de 18 anos, também foi diagnosticado com o mesmo problema.

A informação é que os atletas já iniciaram o tratamento e serão reavaliados na reapresentação do elenco, prevista para a tarde desta sexta-feira.

Na temporada passada, Marinho foi uma das principais peças do setor ofensivo santista. Em parceria com Eduardo Sasha e Soteldo, o atacante atuou em 40 partidas e mandou 12 bolas para a rede, média de 0,30 gol por jogo.

Com ou sem os jogadores à disposição, o Santos, líder do Grupo A, volta a campo já nesta segunda-feira. Em busca de primeira vitória sob o comando de Jesualdo Ferreira, o Peixe enfrenta o Guarani, às 20 horas (de Brasília), no Estádio Brinco de Ouro da Princesa.


Goleiros:
Everson
Vladimir
João Paulo
John


Laterais:
Pará
Felipe Jonatan
Madson


Zagueiros:
Lucas Veríssimo
Luan Peres
Luiz Felipe
Felipe Aguilar
Alex


Volantes:
Diego Pituca
Carlos Sánchez
Alison
Jobson
Sandry


Meias:
Evandro
Jean Mota
Bryan Ruiz


Atacantes:
Soteldo
Marinho
Eduardo Sasha
Derlis González
Raniel
Fernando Uribe
Kaio Jorge
Arthur Gomes
Tailson
Lucas Venuto
Yuri Alberto
Renyer


Técnico:
Jesualdo Ferreira



Santos Futebol Clube

– Presidente: José Carlos Peres (2018-2020)
– Patrocínio: Philco (costas), Algar (centro peito e barra), Kicaldo (mangas), Casa de Apostas (omoplatas), UniCesumar (calção), Orthopride (número) e Kodillar (meiões).
– Fornecedor: Umbro

Elenco:

G – Éverson Felipe Marques Pires
G – Vladimir Orlando Cardoso de Araújo Filho
G – João Paulo Silva Martins
G – John Victor Maciel Furtado

LD,V – Marcos Rogério Ricci Lopes (Pará)
LE – Felipe Jonatan Rocha Andrade
LD – Madson Ferreira dos Santos

Z – Lucas Veríssimo da Silva
Z – Luan Peres Petroni
Z – Luiz Felipe do Nascimento dos Santos
Z – Felipe Aguilar Mendonza
Z – Alex de Oliveira Nascimento

V – Diego Cristiano Evaristo (Diego Pituca)
V – Carlos Andrés Sánchez Arcosa
V – Alison Lopes Ferreira
V – Jobson Souza Santos
V – Sandry Roberto Santos Goes

M – Evandro Goebel
MA – Jean Mota Oliveira de Souza
M,A – Bryan Jafet Ruiz González

A,M – Yeferson Julio Soteldo Martínez
A – Mário Sérgio Santos Costa (Marinho)
A – Eduardo Colcenti Antunes (Eduardo Sasha)
A,M – Derlis Alberto González Galeano
A – Raniel Santana de Vasconcelos
CA – Fernando Uribe Hincapié
A – Kaio Jorge Pinto Ramos
A – Arthur Gomes Lourenço
A – Tailson Pinto Gonçalves
A – Lucas Henrique Ferreira Venuto
A – Yuri Alberto Monteiro da Silva
A – Renyer Luan de Oliveira Damasceno

T – Manuel Jesualdo Ferreira

Comissão técnica: Rui Águas, António Oliveira e Daniel Gonçalves (Auxiliares), José Pedro Pinto (Preparador físico), Arzul (Preparador de goleiros), Pedro Bouças (Analista de desempenho)



Empréstimos:

– Quem saiu: Rodrigão (CA, Ceará), Matheus Ribeiro (LD, Chapecoense), Romário (LE, Mirassol), Rafael Longuine (M, CRB-AL), Felippe Cardoso (CA, Fluminense), Derlis González (A, Olimpia-PAR), Copete (Everton-CHI)

– Quem chegou: Vladimir (G, Avaí), Arthur Gomes (A, Chapecoense), Guilherme Nunes (V, Paraná)

Transferências:

– Quem saiu: Jorge Sampaoli (T, Atlético-MG), Jorge (LE, Mônaco-FRA), Vitor Bueno (M, São Paulo), Victor Ferraz (LD, Grêmio), Yuri Lima (V, Fluminense), Vanderlei (G, Grêmio), Vitor Mendes (Z, Atlético-MG), Cléber Reis (Z, Ponte Preta), Gustavo Henrique (Z, Flamengo), Cueva (M, Pachuca-MEX), Felipe Aguilar (Z, Athletico-PR)

– Quem chegou: Raniel (A, São Paulo), Madson (LD, Grêmio)



Histórico:

O Santos anunciou em 11/12/2019 a contratação do atacante Raniel, 23 anos, jogador que disputou o último Campeonato Brasileiro pelo São Paulo. O jogador chega ao time da Vila Belmiro como parte da negociação envolvendo o meia Vitor Bueno, que estava emprestado ao time tricolor. Não há valores envolvidos na negociação. O São Paulo repassou os 50% dos direitos econômicos que detinha de Raniel – Cruzeiro continua com a outra metade – e recebeu 50% sobre Vitor Bueno dos 60% que os Santos possuía. O meia assinou um contrato até o final de 2023.

Em 19/12/2019, o lateral-direito Madson assinou contrato definitivo com o Peixe de três anos. O atleta, de 27 anos, estava no Athletico Paranaense emprestado pelo Grêmio, e chega ao alvinegro praiano em troca com o clube gaúcho pelo lateral-direito Victor Ferraz.


Santos 1 x 0 Corinthians – 6 x 7 nos pênaltis

Data: 08/04/2019, segunda-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 38.542 presentes (37.731 pagantes e 811 não pagantes).
Renda: R$ 1.477.585,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Alberto Andrini Nogueira.
VAR: Thiago Duarte Peixoto
Cartões amarelos: Alison, Diego Pituca, Sánchez e Kaio Jorge (S); Clayson e Cássio (C).
Gol: Gustavo Henrique (41-2).
Pênaltis: Santos: Converteram: Rodrygo, Soteldo, Sánchez, Derlis, Pituca, Alison; Perderam: Kaio Jorge (travessão) e Victor Ferraz (trave). Corinthians: Converteram: Vagner Love, Ramiro, Júnior Urso, Fagner, Sornoza, Danilo Avelar, Henrique; Perdeu: Boselli (defesa).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Diego Pituca; Alison, Carlos Sánchez e Jean Mota (Kaio Jorge); Cueva (Rodrygo), Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

CORINTHIANS
Cassio, Fagner, Manoel, Henrique e Danilo Avelar; Ralf, Junior Urso e Sornoza; Pedrinho (Vagner Love), Clayson (Ramiro) e Gustavo (Boselli).
Técnico: Fabio Carille



Corinthians tira Santos nos pênaltis e vai à terceira final seguida de Paulistão

Fiel ao estilo que o consagrou em tantas competições nos últimos anos, o Corinthians garantiu na noite dessa segunda-feira a vaga na final do Campeonato Paulista pelo terceiro ano seguido. Diante de um Pacaembu lotado de santistas, o Timão não se furtou a apostar na sua força defensiva para fazer valer a vantagem conquista em Itaquera, mas a estratégia deu certo só até os 41 minutos do segundo tempo, quando Gustavo Henrique ganhou bola alta, garantiu o triunfo do Peixe por 1 a 0 e levou tudo para os pênaltis.

Diante da marca da cal foram necessários 16 chutes. Boselli foi o único a parar em Vanderlei. Cássio dessa vez não foi herói, mas o Timão comemorou por causa das batidas na trave de Kaio Jorge e Victor Ferraz. Aliás, foi a terceira vitória corintiana nos pênaltis em 2019, dessa vez pelo placar de 7 a 6.

Disposto a encontrar um jeito de furar o sistema defensivo corintiano, Jorge Sampaoli resolveu inovar. Mandou Pituca para a lateral esquerdo e colocou Soteldo pela ponta, com Cueva no meio, mais próximo de Jean Mota.

O Corinthians, por sua vez, conseguiu segurar o ímpeto inicial dos mandantes com uma marcação alta que incomodou a saída de bola de Vanderlei. Aos poucos, porém, o time de Fábio Carille foi se restringindo a viver de bicões que procuravam por Gustagol.

A ideia de começar com Pedrinho não surtiu efeito no ataque. Sornoza foi quem mais comprometeu a marcação. Mesmo assim, a ausência de um centroavante foi sentida pelo Peixe, que erros passes em demasia na busca por um espaço.

Na única intervenção mais incisiva de um goleiro, Cássio evitou gol de Jean Mota já dentro da área em lance originado por falha de Pedrinho e chute torto de Cueva.

A chuva que não deu trégua até o intervalo não voltou para o segundo tempo. Pedrinho e Cueva também não. Vagner Love e Rodrygo, que teve a entrada solicitada por parte da torcida ainda no primeiro tempo, foram para o jogo.

Como era de se imaginar, a vantagem do Corinthians por ter vencido na Arena por 2 a 1 passou a ser respeitada mais do que nunca. Definitivamente as propostas ficaram escancaradas. O Santos se lançou e o Timão se encolheu, a espera de um contra-ataque mortal.

Com Ramiro no lugar de Clayson, esse cenário apenas se consolidou. O Corinthians errava todas as suas saídas de bola e indignava Fábio Carille na beira do campo. E nesse momento de dificuldade mais uma vez apareceu a figura de Cássio.

Famoso por seus atos em jogos decisivos, o camisa 12 corintiano voltou a ser crucial, principalmente em um chute forte, de dentro da área, de Rodrygo.

Cássio só não teve o que fazer aos 41 minutos, quando Victor Ferraz acertou um cruzamento na medida para Gustavo Henrique. Sem marcação, o zagueiro testou a bola para o chão e levou a torcida à loucura.

Antes do apito final só deu tempo para Boselli entrar na vaga de Gustagol, aparentemente com câimbras. Com o estádio todo de pé, veio o apito final e a aflição pela certeza que o finalista sairia apenas após a disputa de pênaltis.

Diante da marca da cal, de cara, Boselli parou em Vanderlei. Na sequência, Cássio tocou, mas não evitou o gol de Rodrygo. Vagner Love fez, mas Kaio Jorge mandou no travessão. Ramiro e Soteldo não desperdiçaram. Júnior Urso cobrou com categoria, assim como Sánchez. Os últimos da primeira sequência foram Fagner e Derlis. Ambos garantiram os seus gols e levaram. Sornoza, então, mandou no ângulo. Pituca também acertou. Avelar e Alison também. Henrique converteu e coube a Victor Ferraz ser o vilão na 16ª cobrança. O lateral acertou o pé da trave e acabou com as chances do Santos de chegar à final.

Agora, o time da Baixada Santista foca no duelo contra o Atlético-GO, quinta-feira, pela Copa do Brasil, quando mais uma vez o Peixe terá de correr contra o prejuízo por ter perdido fora de casa por 1 a 0. Já o Corinthians tem o São Paulo pela frente na luta pelo título do Estadual nos dois próximos domingos. Pela Copa do Brasil, o time também está classificado à quarta fase e apenas aguarda sorteio da CBF para descobrir seu adversário e as datas dos confrontos.

Sampaoli vê partida incrível e promete não trair jogo ofensivo do Santos

O técnico Jorge Sampaoli exaltou a forma de jogar do Santos na eliminação da semifinal do Campeonato Paulista nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe criou várias chances, venceu por 1 a 0 e perdeu nos pênaltis.

“Prometo que nunca vou trair essa forma de jogar. Nunca vou jogar de outra forma que não seja a que jogamos hoje”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Tomara que esse resultado não nos faça cair, porque temos que nos preparar para o Brasileirão. Temos que ter valentia, capacidade, segurança e convicção para jogar dessa forma em qualquer lugar”, completou.

Sampaoli diz que a campanha no Paulistão serve de lição no Alvinegro.

“,Jogamos uma partida incrível, mas não nos classificamos. O Paulista nos serviu de aprendizado para que o jogador tenha em mente a ideia do treinador. Hoje foi uma festa no estádio”, concluiu.

Santistas reclamam da “retranca” do Corinthians: “Nem sempre o melhor vence”

Os jogadores do Santos reclamaram da “retranca” do Corinthians depois da eliminação da semifinal do Campeonato Paulista na noite desta segunda-feira, no Pacaembu.

Depois da derrota por 2 a 1 em Itaquera, o Peixe atacou durante todo o tempo, fez o gol da vitória com Gustavo Henrique no fim e perdeu nos pênaltis.

“O Corinthians não veio para jogar futebol, veio para defender. Ficou com os 11 ali atrás. Só o Santos jogou. Agora é levantar a cabeça, nem sempre o melhor vence”, afirmou Pituca.

Fora do Paulistão, o Santos voltará a campo para enfrentar o Atlético-GO na quinta-feira, na reinauguração da Vila Belmiro, pela volta da terceira fase da Copa do Brasil. Na ida, o Peixe perdeu por 1 a 0.

Victor Ferraz chora após eliminação no Santos: “Sonhei com a imagem de levantar a taça”

O capitão Victor Ferraz chorou em entrevista depois da eliminação do Santos na semifinal do Campeonato Paulista para o Corinthians, nesta segunda-feira, no Pacaembu.

Um dos melhores em campo, o lateral-direito deu a assistência para o gol de Gustavo Henrique, mas perdeu o último pênalti. Diante das câmeras, não aguentou o choro e contou de um “sacrifício” para chegar em boas condições na decisão.

“Para mim fica mais pesado. Eu sou um cara muito pressionado aqui né. Eu queria muito colocar o Santos em mais uma final e levantar mais um título pelo clube. Eu como capitão. Sonhei muitas vezes com essa imagem de levantar a taça. Tem até um episódio que posso contar para vocês. Tenho um filho pequeno, tem um ano e meio e muita energia. Eu preferi, junto com a minha esposa, em mandar ele para a Paraíba. Quando eu chego em casa tenho que brincar muito com ele, então eu ficava mais cansado ainda. Pra que eu pudesse estar completamente focado aqui”, disse Ferraz.

“Acabei sendo coroado com a assistência. Estava combinado de eu não bater porque eu fui o único jogador a ter jogado na quinta. Hoje o campo estava muito pesado, tivemos que correr atrás e eu tive que fazer duas funções. Então eles mesmo me optaram por me deixar para depois. Eu sou um cara que bate pênalti, nas decisões eu sempre bati. Mas eu só posso pedir desculpas ao torcedor. Tentei dar o meu melhor junto com meus companheiros. É levantar a cabeça. Hoje não tem como, fico muito triste. Mas quinta temos mais uma decisão. Com todo respeito ao Campeonato Paulista, que tem muita importância para mim, mas a Copa do Brasil é muito importante. Amanhã é trabalhar porque temos que dar a volta por cima na quinta-feira”, completou.

Sánchez diz que eliminação serve de alerta para o Santos desperdiçar menos chances

Carlos Sánchez diz que a principal lição do Santos depois da eliminação para o Corinthians é desperdiçar menos chances criadas nas próximas decisões.

O Peixe dominou o rival, mas venceu “só” por 1 a 0 e acabou derrotado nos pênaltis depois do 1 x 2 em Itaquera.

“Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival”, disse Sánchez.

O uruguaio falou sobre o sentimento de jogar bem, mas sair de campo com a derrota.

“Triste porque jogamos bem, tivemos chances de gol. Criamos muito e se fizéssemos um gol antes, poderíamos ter jogado mais tranquilos. Gol demorou, mas tivemos atitude, nunca cruzamos os braços e fomos para cima”, afirmou, antes de falar sobre o tropeço na ida.

“Pecamos nisso, de não conseguir vantagem como visitante. Hoje foi tudo nosso, fizemos um grande jogo e não vencemos os pênaltis. Não podemos lamentar, mas sim temos que estar contentes pelo que fizemos”, concluiu.

Temos que concretizar as chances criadas. Isso é o que levamos de hoje. São todas finais, temos que agradecer pelo apoio a todo tempo. Usamos esse apoio para sempre procurar o gol rival.