Navegando Posts marcados como Bragança Paulista

Red Bull Bragantino 1 x 1 Santos

Data: 08/11/2020, domingo, 18h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 20ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Vinicius Furlan (SP)
Auxiliares: Neuza Ines Back e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (ambos de SP).
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Cartões amarelos: Lucas Evangelista (B); Jean Mota, Jobson, Soteldo e Sandry (S).
Gols: Léo Ortiz (18-2, contra) e Léo Ortiz (50-2).

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan (Weverton), Léo Ortiz, Ligger e Weverson (Luan Cândido); Raul, Lucas Evangelista e Cuello (Morato); Artur (Luis Phelipe), Ytalo (Thonny Anderson) e Hurtado.
Técnico: Maurício Barbieri

SANTOS
João Paulo; Madson (Pará), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Jobson (Sandry) e Jean Mota (Lucas Lourenço); Arthur Gomes (Lucas Braga), Soteldo (Taílson) e Kaio Jorge.
Técnico: Cuquinha (aux. técnico)



Santos leva gol no minuto final e fica apenas no empate com o Bragantino

Neste domingo, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro, RB Bragantino e Santos ficaram no empate por 1 a 1 em Bragança Paulista, no interior de São Paulo. Os tentos foram de Soteldo e Léo Ortiz.

O resultado não foi bom para nenhuma das equipes. Com o um ponto somado, o Peixe foi a 31, descendo para a sétima colocação, já que o Palmeiras venceu na rodada e chegou a mesma pontuação. Já o Massa Bruta até subiu para 16º, com 20 pontos, mas perdeu a oportunidade de abrir vantagem para os times da zona do rebaixamento.

O jogo

A partida começou em um ritmo lento em Bragança Paulista, com as duas equipes errando muitos passes, principalmente no meio de campo. Com isso, a primeira chegada mais perigosa aconteceu apenas aos 15 minutos, quando Madson recebeu livre na ponta direita e bateu cruzado, parando em defesa de Cleiton.

A resposta dos anfitriões saiu aos 25. Em rápido contra-ataque, Cuello foi acionado na esquerda, cortou para o meio e soltou o pé. O chute do meia até passou pelo goleiro, mas acabou explodindo no travessão. Na sobra, Artur foi travado na hora da finalização.

Cinco minutos depois, João Paulo foi obrigado a fazer duas defesas em sequência. Após ótimo lançamento de Aderlan, Cuello recebeu livre na área a chutou a queima roupa para a difícil intervenção do arqueiro. No lance seguinte, foi a vez de Artur receber bom cruzamento. Sem marcação, o atacante testou firme, mas no meio do gol, facilitando a vida do goleiro.

Na segunda etapa, o tento enfim saiu. Depois de 18 minutos sem muitas emoções, Soteldo recebeu lançamento pela esquerda, invadiu a área e bateu cruzado. A bola desviou no braço de Léo Ortiz e morreu no fundo das redes.

O Braga teve uma grande chance de empatar logo na sequência. Morato foi acionado por trás da defesa e cruzou na pequena área, encontrando Hurtado livre, até mesmo sem goleiro, mas o venezuelano mandou por cima. Já aos 31, quem impediu o gol foi a trave. Após cruzamento de Evangelista, Artur subiu bem para cabecear no canto oposto de João Paulo, porém carimbou o poste.

Já aos 50, quando tudo parecia encaminhado para a vitória santista, Léo Ortiz aproveitou cobrança de escanteio para deixar tudo igual no último lance de jogo.

Bastidores – Santos TV:

Cuquinha critica primeiro tempo do Santos, mas vê evolução no segundo contra o Red Bull Bragantino

Auxiliar técnico do Santos e responsável por comandar o time na beirada do campo no empate em 1 a 1 contra o Red Bull Bragantino, neste domingo (08), pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro, no estádio Nabi Abi Chedid, por conta do diagnóstico positivo do treinador Cuca para a Covid-19, Cuquinha criticou o desempenho santista no primeiro tempo.

O profissional confessou que ‘não via a hora do primeiro tempo acabar para ajustar a equipe’. No intervalo, o Alvinegro voltou com três alterações.

– O primeiro tempo foi horrível, muito abaixo, até os próprios jogadores no intervalo estavam se cobrando porque não é normal fazer um primeiro tempo tão ruim como foi feito – disse o assistente em entrevista coletiva virtual concedida após o jogo.

– Apatia quando começa o jogo e não da certo, erra uma, duas, três vezes. Teve 76% de acerto dos passes. A gente fica cobrando o jogador, mas parece que piora, porque eles vão errando cada vez mais. A gente só torcia para terminar o primeiro tempo para poder corrigir – acrescentou.

Cuquinha, no entanto, viu evolução do time na etapa final e lamentou o gol de empate sofrido nos acréscimos. Os santistas reclamam que o tento teria saído após o tempo extra.

– Segundo tempo melhorou um pouco, teve o controle do jogo, não que tivesse feito um segundo tempo, mas teve o controle do jogo e foi penalizado no final. O raio caiu duas vezes no mesmo lugar, no primeiro e no segundo turno. Um gol depois do tempo normal, mas faz parte – pontuou o irmão de Cuca.

Com o empate, o Peixe perdeu a oportunidade de chegar a 33 pontos, três a menos que o líder Internacional. Na próxima rodada, o Alvinegro encarará justamente o Colorado, e caso vencesse o Red Bull Bragantino, poderia chegar ao duelo diante dos gaúchos com a possibilidade até de ultrapassá-los.

Cuquinha afirma que Cuca fez “muita falta” ao Santos e projeta duelo contra o líder do Brasileirão

Após uma má atuação do Santos no empate por 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, principalmente nos primeiros 45 minutos de jogo, o auxiliar Cuquinha afirmou que o técnico Cuca fez “muita falta” ao Peixe.

O comandante alvinegro testou positivo para a covid-19 no último sábado, logo antes do último treino da equipe para o confronto deste domingo, e foi internado em um hospital na capital paulistana por precaução, devido ao seu histórico de problemas cardíacos.

“Não sei se teve influência, mas com certeza fez muita falta. No sábado, estava tudo pronto para o treino, mas ele sentiu os sintomas e a gente acabou não treinando. A gente vem em uma maratona muito grande, não é desculpa, mas jogo toda quarta e domingo… Agora nós vamos ter uma semana cheia para treinar, voltar a jogar na Vila Belmiro e voltar a fazer um grande jogo”, disse em coletiva.

Sobre o próximo compromisso do Peixe, que será no sábado, contra o líder Internacional, o auxiliar destacou que esse é um ótimo jogo para o time recuperar a confiança e o psicológico, abalado após um gol sofrido no último lance diante do Bragantino neste domingo.

“Trabalhando no dia a dia (se recupera o psicológico), você está em um time grande. Quando você está no Santos sempre vai ter cobrança e a melhor coisa que tem é se recuperar em cima do líder, em um jogo em casa. Então, agora é se recuperar bem para conseguir um bom resultado no sábado”, analisou.

O Santos é o sétimo colocado do Brasileirão, com 31 pontos, cinco a menos que os colorados.


Bragantino 1 x 4 Santos

Data: 31/01/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Paulista – 4ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público e renda: não divulgado
Árbitro: Lucas Canetto Bellote
Assistentes: Daniel Luis Marques e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Matheus Peixoto (B) e Gustavo Henrique (S).
Gols: Carlos Sánchez (37-1), Derlis González (44-1) e Jean Mota (47-1); Carlos Sánchez (09-2) e Wesley (17-2).

BRAGANTINO
Alex Alves; Itaqui, Lázaro, Edimar (Juliano) e Léo Rigo; Magno, Acácio (Klauber), Rafael Chorão, Vitinho (Esquerdinha) e Wesley; Matheus Peixoto.
Técnico: Marcelo Veiga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Yuri), Aguilar, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Copete; Alison, Carlos Sánchez e Jean Mota; Arthur Gomes (Soteldo) e Derlis González (Sandry).
Técnico: Jorge Sampaoli



Insaciável, Santos goleia o Bragantino e se mantém 100%

O Santos voltou a apresentar um grande futebol e goleou o Bragantino por 4 a 1, nesta quinta-feira, no Estádio Nabi Abi Chedid, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez (2), Derlis González e Jean Mota.

O Peixe, insaciável, não deixou de atacar em momento algum. Depois de ter dificuldade para furar a defesa dos donos da casa, a porteira abriu na segunda metade do primeiro tempo e a equipe foi para o intervalo com o 3 a 0. Na etapa final, o Alvinegro logo abriu o placar, o Braga diminuiu e parou por aí.

O jogo

Diferentemente das partidas contra Ferroviária, São Bento e São Paulo, o Santos teve dificuldade nos minutos iniciais. O Bragantino, com forte marcação, diminuiu os espaços e foi perigoso no jogo aéreo. Mas durou pouco.

O Peixe adiantou cada vez mais as linhas e, inteiro no campo de ataque, começou a criar chances. E abriu o placar na qualidade/sorte de Carlos Sánchez, em finalização de fora da área desviada aos 37 minutos.

Com o gol feito, o Alvinegro não se saciou, aproveitou o desespero dos donos da casa e garantiu a vitória. Derlis González fez aos 44 e Jean Mota aos 47. O apito final na primeira etapa foi um alívio para o Braga.

No segundo tempo, o cenário não mudou. O Santos parecia estar perdendo tamanha a construção ofensiva. No minuto 9, já veio o quarto. Arthur Gomes sofreu o pênalti e pediu para bater, mas Carlos Sánchez não deixou e, de cavadinha, converteu.

O Bragantino não desistiu e descontou com Wesley, depois do excesso de confiança de Luiz Felipe. O zagueiro tentou drible na defesa, errou e armou o contra-ataque da equipe do interior.

A reação, porém, parou por aí. O Santos poupou o fôlego, administrou o resultado e, com nova goleada, terminou a quarta rodada como único com 100% de aproveitamento no Estadual.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli se surpreende com início do Santos e diz que a alegria vence o cansaço

Jorge Sampaoli se surpreendeu com o bom início de temporada do Santos. As quatro vitórias no Campeonato Paulista, com 11 gols feitos e apenas um sofrido, superam as expectativas do técnico.

O argentino está satisfeito com a adesão da ideia de jogo e não está preocupado com o cansaço por atuar no campo adversário o tempo inteiro.

“Um sempre sonha com ir bem, com adesão da ideia, mas não imaginei esse início. Jogadores estão muito entusiasmados com a maneira de jogar. Rivais cansam mais que a gente, no segundo tempo tivemos mais controle e nos faltou um pouco. A alegria de jogar deixa para trás o cansaço”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva depois da vitória por 4 a 1 sobre o Bragantino.

“É o que buscamos, tem a ver com o aspecto físico, anímico e convicção, se sentindo melhor que o rival. Em alguns jogos vamos sofrer, temos que ver como a equipe reagirá para crescer a ideia com a dor da adversidade. Aí veremos se a ideia está canalizada independentemente do que ocorrer numa partida”, completou.

Derlis relembra início de carreira como “falso 9” e quebra recorde no Santos

No Santos de Jorge Sampaoli, Derlis González voltou a atuar como falso 9, posição onde fez sucesso pelo Rubio Ñú e Guaraní, do Paraguai, no início de carreira.

E relembrando os primeiros passos como profissional, Derlis bateu um recorde pessoal. Marcou três gols em jogos consecutivos pela primeira vez: São Bento, São Paulo e Bragantino.

“Usa um sistema diferente do acostumado pelo Santos em anos anteriores. Dois jogadores rápidos à frente e dificulta para os defensores. É meu caso, trato de aproveitar oportunidade e é uma posição que conheço desde que comecei, iniciei nessa posição e fiz muitos gols no Paraguai. Hoje volto a jogar nessa posição e trato de aproveitar sempre”, disse Derlis, em entrevista coletiva.

“Não me lembro de três jogos seguidos, creio que é a primeira vez com três. Fico feliz pela situação, espero que esse Santos siga e que não seja só o início, mas que termine assim. Se continuarmos assim, Santos terá muitas coisas boas nesse ano”, completou.

Depois de se desentender com a diretoria por conta de atraso no direito de imagem, Derlis foi convencido a ficar por Sampaoli e é peça-chave no início do trabalho do argentino.



Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Bragantino 2 x 2 Santos

Data: 27/01/2013, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Mauro André de Freitas e Renata Ruel Xavier de Brito.
Cartões amarelos: Carlinhos, Preto, Diego Macedo, Serginho e Geandro (B); Renê Júnior e Montillo (S).
Gols: Raphael Andrade (27-1); Cícero (05-2), Diego Macedo (19-2) e Neymar (45-2, de pênalti).

BRAGANTINO
Rafael Defendi; Carlinhos (Serginho), Raphael Andrade e Kadu; Diego Macedo (Thiago Santos), Preto (Robertinho), Neto, Léo Jaime e Geandro; Lincom e Malaquias.
Técnico: Mazola Júnior

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Neto, Durval e Guilherme Santos (Felipe Anderson); Renê Júnior (Pinga), Arouca, Cícero e Montillo; Neymar e André (Miralles).
Técnico: Muricy Ramalho



Com gol de pênalti no fim, Neymar evita derrota do Santos para o Bragantino

Em Bragança, time da casa abriu 2 a 1, mas cedeu empate e evitou primeira derrota santista

O Santos não conseguiu repetir o bom futebolde outras jornadas e contou com um gol de pênalti marcado por Neymar, nos minutos finais, para empatar com o Bragantino, em 2 a 2, na noite deste domingo, no Estádio Nabi Chedid. Raphael Andrade, no primeiro tempo, e Diego Macedo, na etapa complementar, fizeram os gols dos donos da casa. Além da Joia, Cícero também marcou para os santistas.

Mesmo com o empate no duelo com o Massa Bruta, o Peixe segue líder na tabela declassificação. O Alvinegro Praiano perdeu o 100% de aproveitamento, mas chegou aos sete pontos ganhos no torneio. O Massa Bruta, por sua vez, é o 14°, com três pontos.

Na próxima rodada, o Santos visita o Ituano, na quarta-feira, a partir das 19h30 (horário de Brasília), no Estádio Novelli Júnior. No dia seguinte, o Braga também sai de casa para enfrentar o Guarani, no Brinco de Ouro da Princesa.

O jogo

A partida começou movimentada, com boas chances de gol. Aos três minutos, o Bragantino quase abriu o placar. Léo Jaime aproveitou o rebote de um escanteio e, de fora da área, acertou o travessão do goleirosantista Rafael.O Peixe respondeu e quase marcou o primeiro gol, aos dez. O argentino Montillo começou a jogada, tocou para Neymar, que na entrada da área, serviu André, frente à rente com o goleiro Rafael Defendi. Mesmo assim, o camisa 9 não conseguiu aproveitar a oportunidade e, com uma finalização ruim, mandou a bola para fora.

O Massa Bruta quase marcou aos 22, quando Diego Macedo cruzou a bola para a área, Cícero desviou e quase marcou contra. O toque de cabeça do meia do Alvinegro Praiano fez a bola acertar o travessão.

Melhor em campo, o time da casa conseguiu abrir o placar. Aos 27, Diego Macedo bateu escanteio pela direita, Raphael Andrade aproveitou o espaço dado pela zaga do Santos dentro da grande área e, de cabeça, completou para o gol. Rafael ainda desviou a bola, mas não evitou que a bola fosse para o fundo das redes: 1 a 0 para o Bragantino.

Com o domínio das ações, o Massa Bruta quase ampliou, pouco depois. Aos 33, Diego Macedo fez linda jogada pela direita, fintando dois adversários e deixando Léo Jaime na cara do gol. Mas o camisa 11 do Braga desperdiça uma grande oportunidade.

Antes do intervalo, o Peixe ainda teve uma chance para empatar. Aos 44, Neymar cobrou falta com categoria, só que a bola passou bem próxima ao gol defendido por Rafael Defendi.

Na volta para a etapa complementar, mesmo sem modificações, a equipe santista reagiu e chegou ao empate. Aos cinco, Montillo roubou a bola no meio-campo, deixou alguns marcadores para trás e tocou para Cícero, que soltou a bomba de perna esquerda, sem chances para o arqueiro do Bragantino.

Após o gol de empate, o técnico Muricy Ramalho resolveu fazer a sua primeira alteração, para ganhar força ofensiva. Aos 16, André saiu para a entrada do argentino Miralles.

Porém, três minutos depois, quem voltou a balançar as redes foi o Massa Bruta. Com 19, Diego Macedo fez grande jogada individual, antes de finalizar de perna esquerda, no ângulo de Rafael: 2 a 1.

Em desvantagem, Muricy resolveu sacar o lateral-esquerdo Guilherme Santos. Aos 23, o meia Felipe Anderson entrou no jogo, tentando dar mais criatividade ao setor de meio-campo.

Autor do segundo gol do Braga, Diego Macedo saiu de campo, aos 32, substituído por Thiago Santos. No Alvinegro Praiano, Pinga entrou na vaga de Renê Júnior, que estava pendurado, após receber cartão amarelo.

Na busca pelo empate novamente, o Santos quase marcou, com Neymar. Aos 38, a Joia cobrou mais uma falta, só que a bola passa à esquerda do ângulo de Rafael Defendi.

Na base da pressão, o Peixe chegou à igualdade, nos minutos finais. Miralles sofreu pênalti e, aos 45, Neymar cobrou com precisão, para anotar o segundo tento santista e evitar que o time da Vila Belmiro sofresse a primeira derrota no Estadual.

Neymar se irrita com rodízio de faltas: “Não vou falar mais nada”

No empate deste domingo contra o Bragantino, marcação dos adversários resultou em 12 faltas no atacante

Principal jogador do futebol brasileiro na atualidade, o atacante Neymar se acostumou a ser vigiado de perto pelas defesas adversárias. No empate do Santos com o Bragantino, na noite deste domingo, no Estádio Nabi Abi Chedid, não foi diferente. Mas a marcação firme irritou o santista.

Tanto que, ao final da partida, na saída do gramado, o camisa 11 desabafou: “Não estou mais nem aí. Um vem, toma cartão amarelo, outro vem e toma também”, disse Neymar, vítima de 12 das 24 faltas sofridas pela equipe alvinegra. “Eu nem vou reclamar mais, não vou falar mais nada”, completou.

Ao ser informado que, dos cinco cartões amarelos recebidos pelo Bragantino, quatro foram por infrações cometidas sobre ele, o craque ironizou a situação. “Só foram poucos (amarelos) porque ele (juiz) demorou a dar”, resumiu.

Apesar das declarações de Neymar, o técnico Muricy Ramalho seguiu uma linha diferente e afirmou não ter visto um exagero na marcação adversária, neste confronto. “Para marcar o Neymar, não tem como ser diferente. Ele vai para cima, para o choque, então tem muitas faltas. Mas não teve maldade. O que acontece é que o Neymar é muito leve. Eu não o vi sofrer nenhum carrinho hoje (domingo), nenhuma entrada maldosa. Repito: eles marcaram forte, mas sem maldade. As faltas foram naturais, coisas de jogo”, destacou.

Em jogo marcado por faltas, Muricy lamenta ausência de Assunção

Técnico do Santos lamentou a ausência de seu cobrador de faltas, que ainda não estreou pela nova equipe

Após o empate com o Bragantino, por 2 a 2, na noite deste domingo, no Estádio Nabi Abi Chedid, o técnico Muricy Ramalho lamentou a ausência de uma peça na equipe: o volante Marcos Assunção. O treinador acredita que o Santos poderia ter saído vitorioso de Bragança Paulista, caso o experiente meio-campista estivesse em campo, devido a grande quantidade de faltas cometidas pelo adversário.

“Nesse jogo que passou, se ele estivesse atuando, ia fazer a festa. Vocês viram que tivemos várias faltas a nosso favor, ele ia ter muita falta para bater”, disse Muricy, nos vestiários do Peixe, no Nabi Abi Chedid.

Durante a partida contra o Massa Bruta, os santistas sofreram 24 faltas. Deste total, metade das infrações foi cometida sobre o atacante Neymar. “Poderia ser diferente (o resultado do jogo)”, lamentou o comandante alvinegro.

Indagado sobre a preparação do veterano jogador, de 36 anos, para voltar a vestir a camisa do Santos, Muricy Ramalho destacou que Assunção está passando por um processo de condicionamento físico, antes de ser liberado para estrear.

“Estamos preparando-o muito bem. Recuperamos a parte muscular, que era o principal, pois ele veio com um déficit nesse quesito. Já está no (ponto) ideal o joelho dele, agora é o condicionamento. Ele é muito profissional, tem se dedicado bastante, e logo vai estar com a gente”, concluiu.

O próprio volante acredita que poderá estar à disposição de Muricy em um prazo de duas semanas. Porém, a comissão técnica do Peixe é mais cautelosa e ainda não estabeleceu, até o momento, uma previsão de quando Marcos Assunção está jogando pelo time santista.

Bragantino 2 x 1 Santos

Data: 19/03/2011
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 14ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho.
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Cartões amarelos: Murilo, Carlinhos, Nego (B); Zé Eduardo, Adriano, Danilo, Paulo Henrique Ganso, Neymar (S).
Gols: Léo Jaime (25-1), Elano (31-1) e Marcelinho (43-2).

BRAGANTINO
Gilvan, Carlinhos, Murilo e Everaldo; Nego, Diego (Cristian), Éder, Marcelinho e Julio César; Rodriguinho (Paulo Roberto) e Léo Jaime (Fabrício Carvalho).
Técnico: Marcelo Veiga

SANTOS
Rafael, Danilo, Edu Dracena, Durval e Pará; Adriano, Rodrigo Possebon, Elano e Paulo Henrique Ganso (Maikon Leite); Neymar e Zé Eduardo.
Técnico: Marcelo Martelotte



Santos erra na defesa, perde para o Bragantino e Muricy ganha força

Na semana passada, o presidente do Santos, Luiz Álvaro Ribeiro, afirmou que aguardaria os jogos contra Colo-Colo e Bragantino antes de definir a contratação de um novo treinador. O time de Vila Belmiro sucumbiu no Chile, pela Libertadores, na última quarta-feira, e neste sábado perdeu por 2 a 1, fora de casa, pelo Campeonato Paulista.

Assim, o nome de Muricy Ramalho, já aprovado publicamente pelo presidente santista, ganha força. Ainda mais porque a defesa segue como ‘calcanhar de Aquiles’ da equipe litorânea e é o ponto forte do técnico tetracampeão brasileiro.

O capitão Edu Dracena vacilou no gol de Léo Jaime, anotado aos 25min do primeiro tempo. O Santos igualou aos 31min, em uma cobrança de pênalti de Elano, artilheiro do Estadual com dez gols. Aos 43min da etapa final, em jogada de escanteio, Marcelinho subiu sozinho e cabeceou para o fundo da rede. Pará marcava o atacante, mas ficou só olhando.

Os visitantes ainda reclamaram de um gol anulado aos 33min, quando Murilo Henrique marcou contra. A arbitragem assinalou falta de ataque de Neymar.

Com o segundo revés no Paulistão, o Santos segue com 28 pontos e pode ver São Paulo, Corinthians e Palmeiras chegarem a 31 neste domingo. Já o Bragantino sobe para 19 e encosta no G-8, zona de classificação para a fase final.

Com cinco desfalques (Jonathan, Leo, Alex Sandro, Arouca e Diogo), o interino Marcelo Martellote repetiu a mesma formação que atuou durante boa parte do tempo na derrota no Chile. Rodrigo Possebon formou a dupla de volantes ao lado de Adriano, Pará foi deslocado para a lateral esquerda, com Danilo pela direita.

A partida começou movimentada. Neymar era o principal articulador dos santistas, e as melhores jogadas ofensivas passavam pelos seus pés.

Já o Bragantino explorava as falhas defensivas do time da Baixada. Assim, chegou com perigo ao gol de Rafael mais frequentemente.

Aos 25min, Edu Dracena errou dentro da área e deixou a bola passar, Leo Jaime apareceu nas suas costas e chutou de esquerda. A bola ainda tocou em Durval, e o camisa 1 santista não teve o que fazer.

Quatro minutos depois, Léo Jaime quase marcou o segundo após novo vacilo da retaguarda litorânea. O atacante avançou pelo meio, sem marcação, e chutou. A bola saiu rente à trave.

Os visitantes reagiram aos 30min. Zé Eduardo recebeu de Neymar e foi derrubado por Everaldo. Pênalti. Elano cobrou no canto, a bola ainda tocou na trave e entrou.

“A nossa equipe começou muito bem, mas depois demos espaço. Temos de corrigir um pouco a saída de bola lá atrás, porque eu e o Paulinho [Ganso] sofremos uma marcação individual”, analisou o ídolo santista.

“Nossa defesa está totalmente amarelada. Precisamos de calma na marcação, não chegar duro de primeira”, apontou o meia Julio Cesar, citando os cartões para os zagueiros Carlinhos e Murilo Henrique.

O Santos voltou mais organizado no segundo tempo, e Elano quase marcou por duas vezes. Na primeira ele recebeu de Neymar na área e chutou para fora. Na segunda, em uma cobrança de falta, acertou a trave.

O Bragantino chegou com perigo aos 39min, com uma cabeçada de Fabrício Carvalho que resvalou a trave. Aos 43min, o gol da vitória, na autoria de Marcelinho.

Bragantino 2 x 2 Santos

Data: 26/02/2009, quinta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista – 10ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: 2.107 pagantes
Renda: R$ 50.250,00
Árbitro: Paulo Roberto Ferreira
Auxiliares: Rafael Ferreira da Silva e Rogerio Pablos Zanardo
Cartões amarelos: Malaquias e Somália (B); Triguinho (S).
Cartões vermelho: Thiago Almeida (B)
Gols: Malaquias (23-1), M. Goldri (39-1); Rodrigo Souto (13-2) e Molina (27-2).

BRAGANTINO
Gilvan; Gabriel, César Gaúcho e Marcelo Goldri; Thiago Almeida, Moradei, Adãozinho (Adriano), Somália e Pará; Malaquias (Da Silva) e Nunes (Bill).
Técnico: Marcelo Veiga

SANTOS
Fábio Costa; Luizinho (Pará), Fabiano Eller, Fabão e Triguinho (Domingos); Roberto Brum, Rodrigo Souto, Molina e Madson e Róbson; Kléber Pereira (Roni).
Técnico: Vagner Mancini



Santos acorda no 2º tempo e arranca empate em Bragança

No jogo em que Vagner Mancini havia pedido um Santos mais acelerado, o time continuou apresentando sonolência, sobretudo no 1º tempo, mas teve fôlego para correr e tirar desvantagem de 2 a 0, empatando o duelo do Bragantino por 2 a 2, em Bragança Paulista, pelo Estadual.

Eletrizante, a partida teve dois “donos”. O Bragantino mandou na primeira etapa. Já o Santos dominou completamente o adversário após o intervalo. O empate deixou o time da Vila fora do G-4. Já o time do interior segue ameaçado de rebaixamento.

“Ficamos em cima, e conseguimos empatar. Tivemos um gol no 1º tempo, mas estava impedido. Depois jogamos bem e quase ganhamos”, ilustrou Molina, em entrevista ao Sportv.

Foi o Bragantino quem botou velocidade ao jogo na primeira etapa, envolvendo facilmente a zaga santista, com jogadas criadas principalmente por Pará, Nunes e Malaquias. Já o Santos reverteu o jogo depois que Mancini avançou todo o time na segunda etapa.

Lento nos 45 min iniciais, o Santos acabou sobrecarregando Fábio Costa, que impediu o gol do time interiorano em vários lances. Mas o goleiro santista não evitou o gol de Malaquias, que, impedido, não teve dificuldade para penetrar na defesa alvinegra.

Para piorar a situação do Santos, Kléber Pereira sentiu fisgada na coxa e deixou o campo logo aos 22 minutos da etapa inicial. Ele dificilmente atua contra o São Paulo, domingo, na Vila.

Sobrando em campo, o Bragantino continuou ameaçando Fábio Costa, seja em cobranças de faltas, com Gabriel, seja em tabelas. O esquema 4-5-1 adotado por Mancini travou, evidenciado após saída de Pereira, contundido.

O Braga chegou ao segundo gol em jogada de escanteio. Marcelo Goldri invadiu a área e tocou para o gol. Fabio Costa reclamou de empurrão nele dentro da pequena área.

O Santos se lançou para o ataque no segundo tempo. Mancini adiantou os volantes Roberto Brum e Rodrigo Souto, liberando Molina para o ataque. Eller virou lateral-esquerdo. Em contrapartida, a zaga ganhou a proteção de Domingos.

No segundo tempo, time da Vila é quem teve o controle total de jogo, chegando ao gol com Rodrigo Souto.

Restou ao Bragantino explorar o contra-ataque. Thiago Almeida, expulso, fez o Bragantino ficar ainda mais recuado. O receio de se aventurar no ataque custou caro ao Bragantino. Molina empatou a partida ao aproveitar cruzamento de Fabão.

Faltando um minuto para o término de jogo, Pará por pouco não recolocou o Bragantino à frente no marcador. Cobrança de falta bateu no travessão de Fábio Costa.