Navegando Posts marcados como 2020

Santos 1 x 1 Ceará

Data: 27/12/2020, domingo, 18h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Rodolpho Taski Marques (PR).
Auxiliares: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Cartões amarelos: Diego Pituca e Felipe Jonatan (S); Cléber, Saulo Mineiro e Vina (C).
Gols: Marinho (10-1) e Samuel Xavier (36-1).

SANTOS
John; Lucas Braga, Laércio, Luan Peres e Felipe Jonatan (Jean Mota); Alison (Arthur Gomes), Diego Pituca e Sandry (Vinicius Balieiro); Marinho, Soteldo (Bruno Marques) e Kaio Jorge (Lucas Lourenço).
Técnico: Cuca

CEARÁ
Fernando Prass; Samuel Xavier (Eduardo), Tiago, Klaus e Bruno Pacheco; Fabinho, Fernando Sobral (Kelvyn), Charles (Pedro Naressi) e Vina; Lima (Saulo Mineiro) Cléber (Felipe Vizeu).
Técnico: Guto Ferreira



Santos só empata com o Ceará e vê G-6 do Brasileirão mais distante

O Santos só empatou em 1 a 1 com o Ceará na noite deste domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe abriu o placar com Marinho. O Ceará empatou ainda no primeiro tempo com Samuel Xavier.

O empate distancia o Peixe do G-6 e representa a quarta partida sem vitória no Brasileirão. O clube da Baixada Santista é o oitavo, com 39 pontos, três a menos que o Grêmio, o sexto colocado e com um jogo a menos. O Vozão é o 10º, com 36.

O Santos começou melhor, mas perdeu intensidade após abrir o placar. No segundo tempo, o Peixe voltou melhor, porém, parou no goleiro Fernando Prass e na trave. O Alvinegro ainda teve um gol anulado de Arthur Gomes, por toque no braço, aos 37 minutos.

O jogo

O Santos começou melhor na Vila Belmiro e não demorou a abrir o placar. Marinho, sempre ele, fez o primeiro gol aos 10 minutos. Ele começou a jogada, forçou o erro de Fernando Sobral e a bola passou por Soteldo até a assistência de Diego Pituca.

Após o gol, o Peixe diminuiu o ritmo e viu o Ceará melhorar. Os visitantes foram ganhando campo e assustando o goleiro John, até que o empate chegou com Samuel Xavier, no minuto 36. Cléber cabeceou e o lateral-direito marcou no rebote.

Os minutos finais foram de uma partida franca, com ataques para os dois lados. Aos 45, Vina arrancou com liberdade e finalizou para grande defesa de John. A virada ficou por pouco.

O Santos voltou melhor para a etapa final. Sem espaço pelo meio, apostou nas jogadas pelo lado do campo e fez muitos cruzamentos. Em dois deles, o desempate quase saiu.

No minuto 35, Marinho bateu forte e Fernando Prass defendeu. A bola subiu e ainda tocou no travessão antes de sair para escanteio. Pouco tempo depois, Marinho cobrou escanteio fechado e Arthur Gomes, na pequena área, tocou com a cabeça (e com o braço) para o gol. Lance anulado com auxílio do VAR.

Nos minutos finais, o Santos se lançou ao ataque e tentou como deu. Mas o empate permaneceu no placar da Vila Belmiro.


Santos fecha novo patrocínio para o número do uniforme

O Santos acertou um contrato de três anos com a Konami para o número do uniforme. O produto estampado nos primeiros meses será o PES 2021, famoso game de futebol. A informação foi inicialmente publicada por A Tribuna.

A estreia do parceiro ocorre neste domingo, diante do Ceará, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. A empresa substitui a Orthopride, que rescindiu o vínculo em outubro, depois do anúncio da contratação de Robinho.

Pelo que a Gazeta Esportiva apurou, a Konami pagará R$ 1,5 milhão em janeiro e mais R$ 1,5 milhão durante o restante do contrato, válido até dezembro de 2023.

A Konami se junta a Philco, Oceano B2B, Tekbond, Foxlux, Casa de Apostas, Kicaldo, Unicesumar e Kodilar.


Vasco 1 x 0 Santos

Data: 20/12/2020, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Arbitragem: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos e Guilherme Dias Camilo (ambos de MG).
VAR: Igor Junio Benevenuto de Oliveira (MG).
Cartões amarelos: Jadson, Henrique, Ricardo Sá Pinto (V).
Gol: Carlinhos (08-1).

VASCO
Fernando Miguel; Léo Matos, Jadson, Leandro Castán e Henrique; Andrey, Marcos Júnior (Bruno Gomes) e Juninho (Marcelo Alves); Carlinhos (Yago Pikachu), Vinícius (Gustavo Torres) e Germán Cano (Tiago Reis).
Técnico: Ricardo Sá Pinto

SANTOS
John; Fernando Pileggi (Bruninho), Luiz Felipe (Soteldo), Alex e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Sandry (Lucas Lourenço); Lucas Braga, Madson (Marinho) e Kaio Jorge (Marcos Leonardo).
Técnico: Cuca



Santos perde para o Vasco em São Januário

O Santos sentiu falta de seus principais jogadores e acabou derrotado pelo Vasco da Gama por 1 a 0, no Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, na tarde deste domingo.

Depois de garantir vaga às semifinais da Copa Libertadores da América, Cuca colocou Marinho e Soteldo apenas no segundo tempo do duelo pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O time da Baixada Santista até pressionou, criou chances para empatar, mas parou no goleiro Fernando Miguel.

Carlinhos, que completou cruzamento de Léo Matos, aos oito minutos do primeiro tempo, em contra-ataque fatal dos mandantes, marcou o único gol do jogo.

O resultado deixou o Santos com 38 pontos, na oitava colocação na tabela de classificação. O Vasco foi a 28 pontos, com um jogo a menos, mas segue na zona de rebaixamento.

Cuca tenta enxergar lado positivo em derrota do Santos: “Não jogou mal”

O Santos voltou a perder no Campeonato Brasileiro depois de entrar em campo com um time muito desfalcado.

Neste domingo, o revés foi para o Vasco, em São Januário, por 1 a 0.

O técnico Cuca fez uma avaliação do jogo sem “caça às bruxas” e procurou até mesmo enxergar pontos positivos no confronto que sucedeu a classificação do time às semifinais da Copa Libertadores da América.

“Finalizou bastante, 19 vezes é um número alto, fora de casa, mas não fomos felizes nas finalizações, Fernando Miguel pegou bolas difíceis e nas demais não tivemos a fortuna de fazer o gol (…) Tivemos controle, a posse de bola, mas não tivemos a eficácia para empatar. Mais mérito do Vasco”.

Leia mais respostas de Cuca na coletiva de imprensa:

19 finalizações
“Finalizou bastante, 19 vezes é um número alto, fora de casa, mas não fomos felizes nas finalizações, Fernando Miguel pegou bolas difíceis e nas demais não tivemos a fortuna de fazer o gol. O Vasco finalizou menos, mas saiu na frente, fez o gol. No momento que o Vasco vive, os três pontos são a coisa mais importante, e eu entendo, a luta para sair da zona da confusão, e eles passaram a administrar o resultado, fizeram bem, fecharam bem as linhas, marcaram bem. Tivemos controle, a posse de bola, mas não tivemos a eficácia para empatar. Mais mérito do Vasco”.

Time desligado
“Nós tivemos até antes do Vasco uma oportunidade de fazer o gol. Não é desligado. O Vasco teve a oportunidade e fez o gol, e aí passa a ser outro jogo, você tem que remar, ter paciência, conseguimos ver o Fernando na lateral, que vinha treinando bem, demos um pouco de jogo para o Soteldo, que duas semanas não participa de nada, nenhuma atividade, preservamos o Marinho, que estava cansado. Perdemos a nossa dupla de zaga, o Veríssimo e o Luan Peres, e o Pará, então, também é bom para ver que de forma fazer. Lançamos mais uma vez os meninos para tentar o empate e, infelizmente, não foi suficiente. Saber que não jogou mal, mas não veio o resultado”.

Falta de criatividade
“Lógico que não. A gente não tem essa jogada como a forte, mas são situações diferentes, jogamos contra um time reativo. Quando não se tem a velocidade, como o Vasco não nos deixou ter hoje, você tem de ter a criatividade, e ela vai aparecer pela linha de fundo. Apareceram por ali, concluímos, tabelamos, Felipe Jonatan na cara do gol, Bruno, Madson, é por isso que se usa a linha de fundo, mas não o cruzamento como estávamos fazendo, tem de ser uma bola mais rápida”.

Dificuldade contra linhas baixas
“Você tem a posse de bola, joga os meias, fizemos uma linha de quatro atacantes mais dois meias, só com Pituca por trás, mas não foi o suficiente. Trabalhamos bem as coisas no sentido de tentar achar o gol, mas não foi suficiente”.

Fernando integrado ao elenco
“Sim, claro que está oficialmente integrado, senão eu não punha para jogar, muito responsável. Uma pena que o gol que a gente tomou, Madson deu um passe para ele mais espetado, dessa bola tomamos o contra-ataque e não deu tempo dele fechar, está sem o tempo ideal de jogo. Quando precisamos abrir o time, tiramos ele e o Luiz Felipe, procuramos dar mais ofensividade”.

Novidade no Santos, lateral agradece a Cuca e analisa estreia como “segura”

Fernando Pileggi foi a principal novidade do Santos na derrota por 1 a 0 para o Vasco no último domingo, em São Januário, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com Marinho poupado e Madson como ponta, o lateral-direito promovido da equipe sub-23 foi titular na estreia como profissional.

“É um momento único da minha vida. Acima de tudo glorifico a Deus por me guiar até aqui. Há poucos dias estava treinando no sub-23 e agora, pude estrear na equipe principal. A vida toda esperei e trabalhei por esse momento e hoje, realizei esse sonho de estrear como profissional do Santos. Gratidão por todos que contribuíram para chegar esse momento, principalmente à comissão técnica e ao Cuca por confiar no meu trabalho”, disse Pileggi, via assessoria de imprensa.

“Sinto que fiz um jogo seguro e estive bem na partida. No começo teve a ansiedade, mas logo passou e pude mostrar meu futebol. Estou feliz pela estreia e focado em evoluir e buscar novas oportunidades. Não tenho dúvida que na próxima oportunidade estarei ainda melhor”, completou.

O Menino da Vila foi substituído no intervalo, quando Madson voltou para a lateral direita. O técnico Cuca explicou a escolha.

“Claro que está oficialmente integrado, se não eu não punha para jogar. Já tem treinando com a gente bastante tempo, um jogador que tem uma qualidade defensiva muito boa, muito responsável”, disse o treinador.

“Uma pena que o gol que a gente tomou, eu não vi na TV, mas eu lembro bem, acho que o Madson tinha uma bola e deu uma passe para ele (Fernando) muito espetado, o Madson geralmente acerta esse passe. A gente tomou o contra-ataque, nesse contra-ataque nós não fizemos a falta, fomos tomar um cruzamento da direita e não deu tempo pra ele fechar, se não ele teria fechado. Estava sem o tempo ideal do jogo, como não está jogando frequentemente”, concluiu.


Flamengo 4 x 1 Santos

Data: 13/12/2020, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR).
Auxilares: Victor Hugo Imazu dos Santos e Rafael Trombeta (ambos do PR).
VAR: Adriano Milczvski (PR).
Cartões amarelos: João Gomes e Filipe Luís (F); Marcos Leonardo (S).
Gols: Gerson (41-1); Gabigol (04-2, de pênalti), Filipe Luís (15-2), Gabigol (25-2, de pênalti) e Bruno Marques (29-2).

FLAMENGO
Diego Alves; Isla, Rodrigo Caio, Natan e Filipe Luís; João Gomes, Gerson (Pedro), Arrascaeta (Vitinho) e Everton Ribeiro (Michael); Bruno Henrique (Pepê) e Gabigol (Pedro Rocha).
Técnico: Rogério Ceni

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe, Alex e Wagner Leonardo (Ângelo); Alison (Guilherme Nunes), Sandry e Jean Mota (Lucas Lourenço); Tailson (Felipe Jonatan), Lucas Braga e Marcos Leonardo (Bruno Marques).
Técnico: Cuca



Com dois de Gabigol, Flamengo goleia time reserva do Santos no Maracanã

O Flamengo goleou o time reserva do Santos por 4 a 1 na tarde deste domingo, no Maracanã, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Gabigol (2), Gerson e Filipe Luís. O Peixe descontou com Bruno Marques.

O Peixe poupou titulares antes da decisão contra o Grêmio, na Vila Belmiro, pela volta das quartas de final da Libertadores da América. O Alvinegro empatou em 1 a 1 em Porto Alegre e busca a vaga na semifinal na próxima quarta-feira. A opção de Cuca facilitou a vida do Rubro-Negro.

O Flamengo dominou as ações desde o primeiro minuto. Na etapa inicial, o Santos até se defendeu bem e só sofreu um gol. Nos 45 minutos finais, porém, os cariocas foram soberanos e contaram com duas falhas do goleiro João Paulo.

O jogo

O Flamengo, como era de se imaginar, foi superior diante do time reserva do Santos. Os donos da casa, porém, tiveram poucos espaços pelo meio e apostaram nas jogadas pelas pontas.

A primeira chance do Flamengo, porém, veio por baixo. Aos quatro minutos, João Paulo saiu jogando errado. Bruno Henrique acionou Gabigol, que driblou o goleiro e perdeu o ângulo.

Dois minutos depois, o Peixe respondeu com Jean Mota de fora da área. Diego Alves espalmou no cantinho e bateu a cabeça na trave. O goleiro se recuperou rapidamente.

No minuto 19, o Flamengo chegou outra vez. Filipe Luís encontrou Bruno Henrique pela ponta esquerda. O atacante cruzou para trás e Arrascaeta, sozinho, finalizou torto. Segundos depois, Gerson cruzou e Bruno Henrique cabeceou perto.

O Alvinegro assustou novamente aos 22, quando Madson cruzou e Jean Mota não pegou bem na bola. Mesmo assim, a bola passou perto da trave direita de Diego Alves.

Quando o placar marcava 31 jogados, Gerson mostrou que seu gol estava perto. Bruno Henrique cruzou e o meio-campista cabeceou com perigo. Aos 41, Gerson fez. E na base da insistência.

Everton Ribeiro cobrou escanteio e a bola sobrou para Arrascaeta, que cruzou de novo. Rodrigo Caio ganhou pelo alto, Natan acertou o travessão e Gerson apareceu no rebote para abrir o placar.

Já nos acréscimos, o Santos chegou pela terceira vez. Alison chutou muito errado, mas a bola desviou duas vezes na defesa do Flamengo e quase entrou.

E o Flamengo não demorou a aumentar a vantagem. Bruno Henrique fez jogada individual, cruzou e Alex puxou a camisa de Arrascaeta antes da saída do gol de João Paulo. Aos quatro minutos, Gabigol converteu.

A partir daí, os reservas do Santos não conseguiram mais segurar o adversário. Aos 15 minutos, Bruno Henrique passou novamente como quis, João Paulo falhou e Filipe Luís empurrou. 3 a 0.

O Flamengo seguiu em cima e confirmou a goleada aos 25 minutos. João Paulo, em nova falha, cometeu pênalti em Everton Ribeiro. Gabigol cobrou no mesmo canto e converteu. 4 a 0.

O Santos diminuiu aos 29 minutos, quando Madson fez boa jogada pela direita e cruzou para Bruno Marques cabecear com estilo. O atacante havia entrado há cinco minutos.

Ainda deu tempo do Flamengo acertar o travessão de João Paulo com Pepê aos 38 minutos. Vitória maiúscula do Flamengo contra os reservas do Santos.

Cuca vê “coisas boas” em derrota dos reservas do Santos para o Flamengo: “Não me arrependo”

Cuca analisou a derrota do Santos por 4 a 1 sobre o Flamengo neste domingo, no Maracanã, e explicou a decisão de poupar os titulares para a decisão contra o Grêmio na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, pela volta das quartas de final da Libertadores da América.

O técnico viu pontos positivos mesmo com a goleada sofrida.

“Jogamos quarta, viajamos quinta. Treinamos na sexta e sábado. Trabalhei a equipe diferente do que foi hoje. Tínhamos o Vinicius Balieiro escalado como titular, com formação diferente. Ontem à noite fiquei sabendo que estava impossibilitado de jogar (covid-19). Muda muito. Balieiro iria numa função diferente, como lateral-direito como fazia na base. Meias do Flamengo jogam abertos para flutuar quando têm a bola na parte defensiva. Trabalhamos bem e perdemos Balieiro. E isso dificultou mais nosso trabalho. Responsabilidade desse jogo é do treinador, quem põe time em campo. Não me arrependo e faria de novo independentemente do placar. Preciso da melhor condição possível na quarta. Tivemos viagem, jogo desgastante hoje contra equipe que só está envolvida no Campeonato Brasileiro… Desgaste seria maior na quarta. Não tenho certeza de ganhar quarta, mas tenho certeza de desgaste menor. Temos que saber administrar essa derrota. Primeiro tempo foi quase igual, eles criaram e a gente também. Sofremos gol no fim. No segundo tempo sofremos dois gols em dois minutos. Se é uma equipe sem personalidade e poder de reação, toma seis ou sete. Nós equilibramos novamente, não sei se serve de consolo, mas o gol mais bonito do jogo foi nosso. Gol trabalhado. Eles tiveram dois de pênalti, outro em rebatida e um de cabeça”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Seria influência grande se o time titular tivesse perdido de 4 a 1. Mas não, é risco que corremos. Temos um grupo de jogadores para hoje e outro grupo para a batalha de quarta. Faz parte da estratégia. Vi muitas coisas boas desses meninos hoje apesar da derrota”, completou o treinador.

Depois do empate em 1 a 1 com o Grêmio em Porto Alegre, o Santos pode empatar por 0 a 0 para se classificar. Novo 1 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis. E quem vencer avança.

Felipe Jonatan lamenta “desatenções” do Santos após 1º tempo “igual” contra o Flamengo

Felipe Jonatan lamentou as “desatenções” do Santos na derrota por 4 a 1 para o Flamengo neste domingo, no Maracanã, pela 25ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com reservas, o Peixe fez primeiro tempo equilibrado. Na segunda etapa, sucumbiu. Felipe Jonatan, um dos titulares do técnico Cuca, entrou no intervalo.

“A gente sabia da qualidade do adversário. Sempre difícil jogar contra o Flamengo no Maracanã. Fazíamos jogo de igual para igual, mas por desatenção nossa eles fizeram dois gols no começo do segundo tempo. Agora é mudar a chavinha porque temos um jogo importante pela Libertadores”, disse o lateral-esquerdo, à Globo.

O Peixe poupou titulares antes da decisão contra o Grêmio, na Vila Belmiro, pela volta das quartas de final da Libertadores da América. O Alvinegro empatou em 1 a 1 em Porto Alegre e busca a vaga na semifinal na próxima quarta-feira, às 19h15 (de Brasília).

Depois do empate em 1 a 1 em Porto Alegre, o Santos pode empatar por 0 a 0 para se classificar. Novo 1 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis. E quem vencer avança.


Grêmio 1 x 1 Santos

Data: 09/12/2020, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Quartas-de-final – Jogo de ida
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Juan Benitez (PAR)
Auxiliares: Eduardo Cardozo e Milciades Saldivar (ambos do PAR).
VAR: Eber Aquino (PAR)
Cartões amarelos: Diogo Barbosa, Maicon e Matheus Henrique (G); Luan Peres, Jobson, Diego Pituca e Sandry (S).
Cartão vermelho: Diego Pituca (S).
Gols: Kaio Jorge (35-1); Diego Souza (56-2, de pênalti).

GRÊMIO
Vanderlei; Victor Ferraz (Churín), Geromel, Kannemann e Diogo Barbosa; Maicon (Darlan), Matheus Henrique e Pinares (Everton); Luiz Fernando (Ferreira), Pepê e Diego Souza.
Técnico: Renato Gaúcho

SANTOS
John; Pará (Jean Mota), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Sandry (Vinicius Balieiro) e Jobson (Alison); Marinho (Bruno Marques), Lucas Braga e Kaio Jorge (Madson).
Técnico: Cuca



Com gol sofrido no fim, Santos empata com o Grêmio em Porto Alegre pela Libertadores

O Santos empatou com o Grêmio em 1 a 1 a noite desta quarta-feira, em Porto Alegre, pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores da América. Os gols foram marcados por Kaio Jorge e Diego Souza.

Mesmo sem Soteldo, com covid-19, o Peixe controlou a partida desde os primeiros minutos e cedeu poucos espaços ao Tricolor. Nos minutos finais, porém, os donos da casa esboçaram reação e conseguiram um pênalti com o auxílio do VAR nos acréscimos. Bola no braço de Vinicius Balieiro. Diego Souza converteu com categoria.

Com o empate com gols, o Santos pode empatar por 0 a 0 na Vila Belmiro na próxima quarta para avançar à semifinal. Novo 1 a 1 levaria a decisão para os pênaltis. E quem vencer, obviamente, passa.

O jogo

O Santos não deixou o Grêmio controlar o jogo em momento algum. O Peixe adiantou as linhas e freou a pressão inicial dos donos da casa. A partir da metade do primeiro tempo, o Alvinegro passou a dominar.

O Santos finalizou seis vezes, contra apenas um chute do Tricolor. E a vantagem tática se transformou em gol aos 35 minutos. Pará cruzou, Vanderlei saiu errado, Felipe Jonatan desviou e Kaio Jorge completou.

A tônica continuou a mesma na etapa final. Um Grêmio pouco criativo diante de um Santos organizado e perigoso no contra-ataque. O Peixe seguiu finalizando mais que o adversário.

Sem espaço, o Tricolor abusou da bola parada e das finalizações de fora da área. Aos 21, David Braz cobrou falta de longe e obrigou John a fazer boa defesa.

Aos 23, o Santos respondeu. Diego Pituca finalizou de longe, Vanderlei espalmou e no rebote a bola sobrou limpa para Kaio Jorge, que bateu cruzado e a bola passou muito perto.

Nos minutos finais, o Peixe recuou, porém, o Grêmio seguiu praticamente inofensivo. Com a expulsão de Diego Pituca, os donos da casa avançaram e conseguiram o empate em um pênalti. Com auxílio do VAR, a arbitragem assinalou braço de Vinicius Balieiro. Diego Souza converteu aos 56 minutos da etapa final.

Cuca valoriza estratégia “corajosa” do Santos, mas lamenta pênalti “inconclusivo” no empate com o Grêmio

Cuca valorizou a estratégia do Santos no empate em 1 a 1 com o Grêmio nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores da América.

O Peixe foi melhor na maior parte do tempo, mas sofreu o gol aos 56 minutos do segundo tempo, em pênalti polêmico convertido por Diego Souza após auxílio do VAR. Vinicius Balieiro tocou com o braço na bola após cruzamento.

“Grêmio joga um dos melhores futebol do Brasil, grande elenco, treinador com cinco anos à frente do clube. Quem vem aqui pensando em defender fatalmente perde. Então viemos para jogar, com coragem, e criamos chances, até mais que o Grêmio. Perdemos gols claros no segundo tempo que poderiam ter definido o confronto e fomos penalizados no fim com gol de empate. Não é a primeira vez, outro lance inconclusivo. Não vou falar de arbitragem, ficamos reféns de uma interpretação, lupa ou microcâmera para pegar detalhe que não está no sentimento do jogo. Se jogador quis tomar vantagem ou foi casual. Apesar do grande jogo do Santos, saio profundamente chateado com o resultado”, disse Cuca.

“Jogo teve de tudo, deixa sabor bom pelo que o time jogou. São poucos times que envolvem o Santos, sempre batemos de frente. Fica a frustração pelos gols perdidos em uma bela partida e maneira como tomamos o gol no fim do jogo, com um jogador expulso. Arbitragem mexe no emocional. Expulsa um do Grêmio e VAR retira, amarela e quase te expulsa. Grêmio não teve reais chances de gol, aquele momento de pensarmos que íamos empatar. Fizemos as trocas em cima do cansaço. Jogadores sentiram, foi muita intensidade nossa. Se antes do jogo soubéssemos que era 1 a 1, seria um baita resultado. E não foi um baita resultado pelo que jogamos”, completou.

Outro que reclamou da arbitragem foi Kaio Jorge. E o atacante foi mais incisivo.

“Na minha visão não foi pênalti. Árbitro mal viu o replay. Acho que meteram a mão na gente ali”, afirmou.

Kaio Jorge lamenta falta de “capricho” do Santos em empate com o Grêmio

Autor do gol, Kaio Jorge lamentou a falta de “capricho” do Santos no empate em 1 a 1 com o Grêmio nesta quarta-feira, em Porto Alegre, pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores da América.

O Peixe fez 1 a 0, teve chances de ampliar e sofreu o gol aos 56 minutos do segundo tempo, num pênalti convertido por Diego Souza com o auxílio do VAR. Vinicius Balieiro tocou com o braço na bola.

“Estamos muito vivos. Próximo jogo é na nossa casa”, disse Kaio.

“Fizemos excelente primeiro tempo e poderíamos ter feito mais gols. Na Vila temos que caprichar mais”, completou.


Santos 2 x 2 Palmeiras

Data: 05/12/2020, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 24ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Neuza Ines Back (ambos de SP).
VAR: Jose Claudio Rocha Filho (SP)
Cartões amarelos: Soteldo, Lucas Veríssimo e Diego Pituca (S); Lucas Lima, Mayke e Emerson Santos (P).
Cartão vermelho: Zé Rafael (P).
Gols: Diego Pituca (37-1); Raphael Veiga (10-2, de pênalti), Willian (17-2) e Marinho (25-2).

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Laércio); Alison (Vinícius Balieiro), Diego Pituca e Soteldo; Marinho, Lucas Braga (Bruninho) e Kaio Jorge.
Técnico: Cuca

PALMEIRAS
Weverton; Mayke, Luan, Alan Empereur (Benjamin Kuscevic) e Matias Viña; Emerson Santos, Zé Rafael e Raphael Veiga; Gabriel Veron, Lucas Lima (Breno Lopes) e Willian (Gabriel Silva).
Técnico: Vitor Castanheira



Em clássico com quatro gols, Santos e Palmeiras terminam empatados na Vila Belmiro

Santos e Palmeiras disputaram um clássico movimentado na noite deste sábado, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. No Estádio da Vila Belmiro, o time da casa saiu na frente, tomou a virada da equipe alviverde e buscou o empate por 2 a 2.

Os tradicionais adversários contabilizam os mesmos 38 pontos ganhos no Campeonato Brasileiro. O Palmeiras tem uma partida a menos, mas leva vantagem no saldo de gols e, portanto, aparece no quinto lugar da tabela de classificação, logo à frente do Santos.

Os dois times voltam a campo pelas quartas de final da Copa Libertadores. Às 21h30 (de Brasília) desta terça-feira, o Palmeiras encara o paraguaio Libertad, no Estádio Defensores del Chaco. Às 19h15 do dia seguinte, o Santos pega o Grêmio, na Arena do Grêmio.

O jogo

O Santos explorou bastante Marinho pelo lado direito e criou a primeira chance de gol na Vila Belmiro. Em cobrança de escanteio pelo setor, o camisa 11 bateu direto e tentou fazer um gol olímpico. Atento, o goleiro Weverton defendeu com um soco.

O Palmeiras também teve uma boa oportunidade para marcar na etapa inicial. Após dividida de Willian com Pará pela esquerda, a bola ficou com Gabriel Veron. Willian recebeu do garoto e, na cara do goleiro John, tentou marcar por cobertura, mas acabou desperdiçando.

O Santos conseguiu inaugurar o marcador aos 37 minutos do primeiro tempo. Após falha do lateral esquerdo Viña, Marinho avançou com a bola dominada e, em jogada de ultrapassagem, passou para Kaio Jorge. O jovem cruzou da direita e Pituca apenas completou para o gol.

O Palmeiras empatou logo aos 10 minutos do segundo tempo. Com ajuda do VAR, o árbitro Flavio Rodrigues de Souza marcou pênalti por toque de mão de Lucas Veríssimo após escanteio batido por Lucas Lima pela esquerda. Na cobrança, Raphael Veiga marcou para o time visitante.

A equipe alviverde soube como aproveitar o momento favorável e virou o marcador aos 17 minutos da etapa complementar. Após mais uma cobrança de escanteio de Lucas Lima pela esquerda, Zé Rafael desviou de cabeça e Willian apareceu para completar diante de John.

O Santos empatou aos 25 minutos do segundo tempo. Em sobra pela direita, Balieiro tocou para dentro da área, Marinho passou por Alan Empereur com habilidade e finalizou de forma precisa. Nos acréscimos, com ajuda do VAR, Zé Rafael foi expulso por entrada em Felipe Jonatan, mas o time alvinegro não teve tempo de pressionar.

Bastidores – Santos TV:

Cuca reclama da arbitragem por pênalti dado para o Palmeiras: “Lance inconclusivo”

Santos e Palmeiras ficaram no empate em 2 a 2 na tarde deste sábado, na Vila Belmiro, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na entrevista coletiva após a partida, o técnico Cuca reclamou do pênalti dado ao Verdão no segundo tempo, que gerou o primeiro gol do adversário. A penalidade foi marcada por toque de mão de Lucas Veríssimo, com auxílio do VAR.

“Eu tomo muito cuidado em analisar os erros para não cometer equívoco nenhum e, por mais que eu tenha buscado alguma coisa, não consegui encontrar. É um lance inconclusivo. Esperei o Veríssimo e perguntei se a bola havia batido na mão dele: ‘Não senti, professor’. Então continua sendo um lance inconclusivo. Eu olhei trezentas vezes. É um pênalti que o José Cláudio da Rocha Filho, o juiz do VAR, deu. Coincidentemente é o mesmo árbitro de VAR que apitou nosso jogo contra o Palmeiras no Morumbi (pelo primeiro turno) e deu aquele pênalti, em outro lance interpretativo. Nada que venha a falar da honestidade dele, mas é uma coincidência bastante dura para nós. Mudou o jogo”, declarou o comandante alvinegro, que ainda ressaltou que “não é choro”.

Sobre o jogo em si, Cuca reconheceu que o começo do Palmeiras foi superior, mas disse que depois o Santos “tomou conta da partida”. O treinador ainda afirmou que fica com um “gosto amargo” pelo empate.

“No comecinho do jogo, o Palmeiras foi melhor, tocou melhor a bola, ocupou o campo de ataque mais tempo do que nós. Demoramos uns 15 minutos para nos adaptar ao jogo, mas depois tomamos conta da partida. Dominamos, criamos as chances, fizemos o gol que nos levou para o intervalo com uma vantagem no placar. Veio o segundo tempo e, antes do gol de empate, tivemos três chances para fazer o segundo. Nós cedemos ao Palmeiras um escanteio, e na batida veio a penalidade”, analisou.

“Um a um, mais três minutos vem a segunda bola, e eles fazem de novo. Nós buscamos o empate e tivemos outras chances ainda. Fomos melhores durante 70% da partida. Não sou muito de falar de números, mas no geral fomos superiores ao Palmeiras. Por isso, entendo que fica um gosto amargo, apesar de termos buscado o empate. Fica a satisfação de ver um time lutando, buscando o gol até o final. Infelizmente, não conseguimos vencer. Acabamos empatando um clássico, o que não é demérito nenhum, mas era um jogo para termos vencido”, acrescentou.

O técnico do Santos também explicou a decisão de colocar o time titular em campo, tendo em vista que a equipe alvinegra tem um jogo importante pela Copa Libertadores no meio da semana. Às 19h15 (de Brasília) de quarta-feira (9), o Peixe encara o Grêmio, na Arena, pelo duelo de ida das quartas de final.

“Nós tínhamos 37 pontos, ganhando íamos para o terceiro lugar. Temos domingo, segunda e terça para recuperar o jogador. Não temos uma certeza de que deixando os caras oito ou nove dias parados vão render mais ou menos. Tem momentos que a melhor coisa é jogar, quando não tem desgaste físico, treinaram o suficiente, não tiveram nada com viagem, então estavam prontos para o jogo. Graças a Deus não perdemos ninguém por lesão, agora a recuperação vem até quarta-feira”, concluiu.