Navegando Posts marcados como 1996

Vélez Sarsfield 1 x 1 Santos

Data: 14/11/1996, quinta-feira, 22h10.
Competição: Supercopa dos Campeões da Libertadores – Semifinais – Jogo de volta
Local: Estádio José Amalfitani, em Buenos Aires, Argentina.
Árbitro: Oscar Velázquez (PAR).
Gols: Posse (25-1) e Robert (32-2).

VELEZ SARSFIELD-ARG
Chilavert; Guillermo Morigi, Víctor Hugo Sotomayor, Mauricio Pellegrino, Raúl Cardozo; Claudio Husáin, Marcelo Gómez, Christian Bassedas, Patricio Camps (Flavio Zandoná); Fernando Pandolfi (Omar Asad), Martín Posse (Sebastián Méndez).
Técnico: Osvaldo Piazza

SANTOS
Edinho; Ânderson Lima, Sandro (Ronaldo Marconato), Narciso e Marcos Adriano; Marcos Assunção, Carlinhos (Andradina), Vágner (Robert) e Jamelli; Camanducaia e Alessandro.
Técnico: Orlando Amarelo



Santos é eliminado pelo futuro campeão da Supercopa.

Fonte: Estadão

Grêmio 3 x 0 Santos

Data: 12/11/1996, terça-feira.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – turno único – 20ª rodada
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS.
Público: 11.079 pagantes
Renda: R$ 102.522,00
Árbitro: Léo Feldman (RJ).
Cartões amarelos: Carlos Miguel, Rivarola, Dinho, Arce, Luis Carlos Goiano, Danrlei e Zé Alcino (G); Jamelli (S).
Cartões vermelhos: Narciso (S, 39-1) e Marco Antônio (G, 40-2).
Gols: Paulo Nunes (28-1) e Dinho (35-1); Zé Alcino (22-2).

GRÊMIO
Danrlei; Arce, Rivarola (Mauro Galvão), Adílson e Roger; Dinho (Marco Antônio), Luís Carlos Goiano, Emerson (Aílton) e Carlos Miguel; Paulo Nunes e Zé Alcino.
Técnico: Luis Felipe Scolari

SANTOS
Edinho; Ânderson Lima, Daniel, Narciso e Marcos Adriano; Marcos Assunção, Carlinhos, Élder (Jean) e Vágner (Edgar Baez); Jamelli e Camanducaia (Andradina).
Técnico: Orlando Lelé



Grêmio vence Santos e fica perto da vaga

A vitória de 3 a 0 do Grêmio sobre o Santos, ontem à noite, em Porto Alegre, colocou a equipe gaúcha em segundo lugar no Brasileiro, com 38 pontos em 20 jogos. A classificação do time está praticamente assegurada para a próxima fase da competição.

Aos 22min, Émerson foi derrubado por Narciso dentro da área. O juiz não marcou pênalti. Seis minutos depois, Paulo Nunes aproveitou falha de Élder e fez 1 a 0.

O juiz resolveu compensar e deu um pênalti inexistente de Narciso. Dinho bateu e fez 2 a 0, aos 35min.

No segundo tempo, o Grêmio continuou a ter domínio do jogo. O time chegou ao terceiro gol aos 22min. Arce cruzou da direita, para Zé Alcino fazer de cabeça.



Empate com Grêmio basta ao Santos (Em 12/11/1996)

Após duas vitórias consecutivas no Brasileiro, o Santos luta para obter pelo menos um empate hoje, em Porto Alegre, contra o Grêmio.

O objetivo é evitar que uma eventual derrota abale a confiança do time para a partida de quinta-feira, contra o Vélez Sarsfield, em Buenos Aires, na Argentina.

O jogo decide uma vaga para a final da Supercopa. O Santos precisa vencer por dois gols de diferença para disputar o título contra o Cruzeiro. Uma vitória simples leva a decisão para os pênaltis.

Mesmo com o receio de uma possível derrota hoje, às 20h30, o técnico Orlando Pereira promete ofensividade. Ele reclama da maratona de jogos, mas afirmou que não poupará nenhum titular hoje. No próximo domingo, o time paulista terá completado quatro jogos em oito dias (Vitória, Grêmio, Vélez e Atlético-PR).

O principal desfalque hoje é o atacante Alessandro, suspenso por cartão amarelo. Alessandro marcou quatro gols no Brasileiro -o artilheiro do time é Jamelli, com cinco- e é o principal responsável pela articulação de jogadas do ataque. Camanducaia o substitui.

Outro provável desfalque é o zagueiro Sandro, com uma torção no tornozelo. O jogador viajou com a delegação. Se não melhorar, será poupado para o jogo de quinta, e Daniel entrará em seu lugar hoje.

O lateral-esquerdo Marcos Adriano volta à equipe depois de cumprir pena de oito jogos de suspensão determinada pelo Tribunal da CBF devido às duas expulsões que sofreu no campeonato. Com seu retorno, o meia Roberto, que atuou improvisado na lateral, volta ao banco de reservas.

O Grêmio contará com a volta dos paraguaios Arce e Rivarola para reforçar seu sistema defensivo.

No último sábado, os dois não jogaram contra o São Paulo, também pelo Brasileiro, pois atuaram na seleção do Paraguai pelas eliminatórias da Copa do Mundo.

O zagueiro Luciano cumpre suspensão. Paulo Nunes, artilheiro do Brasileiro com 13 gols, é a principal arma ofensiva para tentar vencer o Santos.

Uma vitória coloca os gaúchos na vice-liderança do campeonato.


Santos 1 x 0 Vitória

Data: 10/11/1996, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – turno único – 19ª rodada
Local: Estádio Ícaro de Castro Mello, o Ibirapuera, em São Paulo, SP.
Público: 3.095 pagantes
Renda: R$ 32.385,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS).
Cartões amarelos: Ânderson, Narciso e Alessandro (S); Nelsinho, Émerson, Bebeto, Eliomar e Wilson (V).
Cartão vermelho: Fernando (V, 35-2).
Gol: Ânderson Lima (20-2).

SANTOS
Edinho; Ânderson Lima (Daniel), Sandro (Cuca), Narciso e Robert; Marcos Assunção, Élder, Carlinhos (Camanducaia) e Vágner; Alessandro e Jamelli.
Técnico: Orlando Pereira

VITÓRIA
Nildo; Nelsinho, Flávio, Émerson (Júnior) e Rubem (Eliomar); Fernando, Bebeto, Donizetti e Gil Baiano; Adoílson (Batistinha) e Wilson.
Técnico: Edinho



Santos explora setor esquerdo para superar o Vitória por 1 a 0

O Santos diminuiu a ira de sua torcida ao derrotar o Vitória por 1 a 0, no estádio do Ibirapuera.

Antes de o Santos abrir a contagem, os torcedores protestavam, pedindo reforços e chamando os jogadores de mercenários. Após o gol de Ânderson, aos 20min do segundo tempo, passaram a aplaudir o time.

Robert, atuando como ala esquerda, foi o destaque do jogo. Ele criou, tabelando com o atacante Alessandro, as principais jogadas santistas.

Foi de uma tabela entre os dois que surgiu o único gol do jogo. A bola sobrou para o lateral Ânderson chutar com força, sem chances de defesa para o goleiro Nílson.

A melhor chance do Vitória foi na etapa inicial, quando Wilson, livre diante de Edinho, chutou, mas o goleiro fez ótima defesa.

Após o jogo, o técnico Edinho reconheceu que sua defesa falhou na marcação, surpreendida com as investidas de Robert. “Nossos zagueiros se confundiram muito no primeiro tempo”, afirmou.

Com o resultado, Santos afastou a ameaça de rebaixamento, chegando aos 24 pontos. O Vitória, que continuou com 28, tem chances reduzidas de classificação.



Santos faz ensaio e pensa na Supercopa (Em 06/11/1996)

O Santos começa hoje contra o Vitória, no Ibirapuera, em São Paulo, um período de preparação para o jogo da próxima quinta-feira diante do Vélez Sarsfield. A partida, em Buenos Aires, na Argentina, decidirá uma vaga na final da Supercopa dos Campeões da Libertadores.

Motivado pela vitória de 2 a 1 contra o Vasco na última quinta-feira, no Rio, o time voltou a acreditar na possibilidade de ir à final da competição que reúne os campeões da Taça Libertadores, contra o Cruzeiro. Para não depender dos pênaltis, o Santos precisa vencer o Vélez por diferença de dois gols.

“Temos esperanças na Supercopa. Uma vitória simples leva a decisão para os pênaltis. O Vélez não é nada demais”, afirmou o volante Carlinhos.

“Agora, a bola começou a entrar. Vamos ver se a gente pega esse gostinho de ganhar”, afirmou o atacante Alessandro, em referência ao jejum de 49 dias sem vitórias, superado diante do Vasco.

Sem chances de alcançar a classificação no Campeonato Brasileiro, o técnico Orlando Pereira pretende usar as partidas contra Vitória e Grêmio (na terça-feira, em Porto Alegre) para dar “padrão de jogo” à equipe.

“O objetivo é mexer o mínimo possível no time”, disse Pereira. A única modificação na equipe que venceu o Vasco deverá ser a volta do zagueiro Narciso, já que Daniel não está inscrito na Supercopa.

Para Orlando Pereira, a improvisação que foi obrigado a fazer contra o Vasco -escalar três volantes (meias defensivos) e os meias Vágner e Robert como alas (laterais ofensivos)- deu resultado e eles deverão ser mantidos.

“Não tinha quem colocar, improvisei e deu certo. Foi o destino”, afirmou o treinador.


Vasco 1 x 2 Santos

Data: 07/11/1996, quinta-feira, 21h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – turno único – 18ª rodada
Local: Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 2.750 pagantes
Renda: R$ 29.740,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (PE).
Cartões amarelos: Marcos Assunção, Robert e Vágner (S); Edmundo e Nélson (V).
Cartão vermelho: Pimentel (V).
Gols: Alessandro (05-1); Jamelli (06-2) e Ranielli (11-2).

VASCO
Caetano; Pimentel, Tinho, João Luis e Felipe; Luisinho (Pedro Renato), Nelson, Juninho e Ramon; Edmundo e Macedo (Ranielli).
Técnico: Antonio Lopes

SANTOS
Edinho; Vágner, Sandro, Daniel e Robert; Marcos Assunção, Élder, Carlinhos e Jamelli (Cuca); Alessandro (Andradina) e Camanducaia.
Técnico: Orlando Lelé



Santos vence e foge do rebaixamento

O Santos venceu o Vasco por 2 a 1, chegou aos 21 pontos e praticamente assegurou a sua permanência na primeira divisão do Campeonato Brasileiro de 1997. A partida foi realizada no estádio de São Januário, do Vasco, no Rio de Janeiro, ontem à noite.

O Santos jogou com um uniforme multi-formi. Camisas listadas e calção quadriculado em preto e branco.

O resultado tornou quase impossível a classificação do Vasco para as quartas-de-final da competição. O time carioca tem 24 pontos. O oitavo colocado do campeonato, o último a se classificar, é a Portuguesa, com 30 pontos.

Faltam quatro rodadas para acabar a primeira fase. O Santos tem chances matematicamente desprezíveis de chegar à segunda fase.

O Santos surpreendeu o Vasco com velocidade e pressão no começo da partida. Nos primeiros dez minutos, o goleiro Caetano fez três defesas. Ele substituiu o titular Carlos Germano, que chegou a se aquecer, mas não jogou por causa de dores musculares.

Aos 6min, Alessandro, ex-jogador do Vasco, fez o primeiro gol do Santos. A equipe paulista teve vários contra-ataques no primeiro tempo.

Em contraste com a velocidade do adversário, o Vasco era lento, apesar de pressionar. O atacante Edmundo jogava “sozinho”, com poucas alternativas.

No fim do primeiro tempo, o técnico do Santos, Orlando Pereira, reclamou do recuo do time. “Não podemos recuar tanto porque corremos o risco de perder”, afirmou.

Aos 7min, Alessandro cruzou da direita para Jamelli fazer 2 a 0.

A tranquilidade santista durou pouco: aos 11min, após uma falha de Daniel, Ranielli marcou contra seu ex-clube.



Santos improvisa laterais contra o Vasco ( Em 07/11/1996 )

O técnico Orlando Pereira viajou irritado para o Rio de Janeiro, onde hoje à noite o Santos enfrenta o Vasco.

No treino da manhã, em Santos, o técnico reclamou de notícias de que a diretoria pretende reformular a comissão técnica e o grupo de jogadores no início do ano que vem, com vistas ao Campeonato Paulista. O treinador disse não acreditar que os diretores tenham feito qualquer declaração nesse sentido, o que, segundo ele, geraria intranquilidade.

Mas acabou revelando sua irritação. “Não é possível trabalhar assim. É falta de respeito um negócio desses”, declarou.

Na última segunda-feira, um dia após o empate em 2 a 2 com o Bragantino, em São Paulo, o diretor de Futebol José Paulo Fernandes dissera que a reformulação vai acontecer.

Anteontem, o presidente Samir Jorge Abdul-Hak afirmara que Cilinho, técnico atualmente desempregado, é um dos nomes cogitados para dirigir a equipe em 97.

Pereira assumiu o cargo no sábado. É a segunda vez neste ano que ele substitui treinadores dos quais era auxiliar. A primeira fora no Campeonato Paulista, após a saída de Candinho, hoje na Portuguesa.

No sábado, ele substituiu José Teixeira, demitido após a derrota de 2 a 1 para o Vélez Sarsfield, em Uberlândia, pela Supercopa dos Campeões da Libertadores.

A manutenção de Pereira no cargo depende da campanha no Brasileiro e na Supercopa, na qual o time ainda tem chance de chegar à final, se derrotar o Vélez, em Buenos Aires, na próxima semana.

Alas improvisados

Para o jogo de hoje contra o Vasco, Pereira voltou a modificar a equipe em relação ao time que enfrentou o Bragantino. Para suprir a ausência dos laterais titulares Ânderson e Marcos Adriano, ambos suspensos, ele improvisou os meias Vágner e Robert como alas (laterais ofensivos) e escalou três volantes (meias defensivos) no meio-campo.

Segundo Pereira, Vágner e Robert terão liberdade para subir ao ataque. Os volantes Carlinhos, pela direita, e Élder, pela esquerda, terão a missão de marcar os adversários que atuarem no espaço deixado na defesa pelos alas.

O ataque terá Alessandro e Camanducaia na frente e Jamelli com a função de criar jogadas.

Na zaga, o substituto de Narciso, suspenso, será Daniel, que vai atuar pela segunda vez no Brasileiro -a primeira foi contra o Criciúma (1 a 1). Edinho será mantido no gol porque Sérgio não se recuperou de contusão no tornozelo.

Vasco coloca Macedo contra seu ex-time

Até às 18h15 de ontem, o atacante Macedo achava que não enfrentaria hoje o Santos, seu ex-clube.

Ele havia perdido o lugar para o atacante Celso, recém-contratado ao América-MG. Mas, no fim do treino, Celso sofreu uma distensão muscular. “Lamento por ele, mas queria muito enfrentar o Santos”, disse Macedo.

O Vasco planeja vencer os últimos cinco jogos na primeira fase do Brasileiro para chegar a 39 pontos e ter chance de se classificar. A equipe venceu domingo o Botafogo por 2 a 1, de virada.

Ela ocorreu após o vice-presidente de Futebol, Eurico Miranda, invadir o campo e reclamar do árbitro Jorge Travassos.

O jogo de hoje será em São Januário porque o Vasco se recusou a entregar à administração do Maracanã cheque de R$ 40 mil como garantia de taxa mínima.



Créditos:
Vídeo: Wesley Miranda

O auxiliar-técnico Orlando Pereira é o novo treinador do Santos. Ele substitui temporariamente José Teixeira, até o final deste Campeonato Brasileiro.

Pereira dirigiu a equipe por 20 jogos na última edição do Campeonato Paulista, com uma estatística de 13 vitórias, 1 empate e 6 derrotas. Foi rendido por Teixeira antes do início do campeonato nacional.

O Santos só deve pensar na contratação de um novo técnico a partir do próximo ano.

A demissão de Teixeira foi anunciada ontem pela diretoria do Santos, após reunião na Vila Belmiro. A diretoria propôs que Teixeira continuasse no clube, com cargo de supervisão no Departamento de Futebol.

A crise que levou à queda do técnico é resultado da virtual eliminação do Santos da Supercopa dos Campeões da Libertadores e de uma série de sete jogos sem vitória que ameaça o time de rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

A situação ficou insustentável para o técnico com a derrota por 2 a 1 para o Vélez Sarsfield, da Argentina, anteontem, em Uberlândia (MG), pela Supercopa.

A equipe teve uma péssima atuação e acabou levando um gol, ao final da partida, de pênalti, convertido pelo goleiro paraguaio Chilavert, astro do time.

Para chegar à final da competição, o Santos, agora, terá de vencer o Vélez por uma diferença de dois gols no próximo dia 14, em partida programada para Buenos Aires.

“Chegamos ao limite máximo. Essa situação não pode continuar do jeito que está. Não podemos admitir jogadores do Santos se arrastando em campo”, declarou o diretor de futebol José Paulo Fernandes.

A insatisfação com o trabalho do técnico também envolve os jogadores do time.

O zagueiro Sandro e o volante Carlinhos, até então titulares, reclamaram de terem ficado na reserva na partida contra a equipe argentina. Sandro afirmou que soube somente no vestiário, durante a preleção, que não seria escalado.

“Ele (Teixeira) não me deu explicações”, afirmou.

O goleiro Sérgio, titular até deixar a equipe por contusão, disse que estava em condições de jogo, anteontem, mas foi substituído por Edinho.

O atacante Jamelli, capitão do time, afirmou que a equipe está se acostumando a perder. E não poupou críticas aos companheiros, ressaltando que faltou “espírito de luta” na partida de anteontem.